quinta-feira, 12 de julho de 2012

O monstro da meia


Meu pai adorava aterrorizar a gente quando éramos crianças.  Aliás, acho que todo pai gosta disso, né? Nós morávamos em uma chácara no interior e, em tempos de chuva, era muito comum acabar a energia elétrica no bairro. Passávamos horas somente à base de velas, ouvindo o barulho das árvores balançando com a ventania.

E, numa hora dessas, com três filhos no escuro, tem que rolar a criatividade. Uma das brincadeiras preferidas nesses dias era a do Monstro da Meia, protagonizada pelo meu pai. Eu e meus irmãos ficávamos no escuro com a minha mãe na cama dela, enquanto meu pai sumia. De repente, ele aparecia com uma vela na mão e uma meia-calça na cabeça, com o rosto todo deformado. Era uma história de terror das mais horripilantes e nós gritávamos feito loucos. Ele ficava muito feio! Acho que até a minha mãe ficava com medo. Ele mudava a voz e falava que iria nos pegar. A gente se contorcia e, só depois de muita gritaria, ele tirava a máscara do rosto e revelava sua real identidade.

Esta semana, o desafio da Royal era transformar uma história dos avós em conto de fadas. Adorei a ideia, mas em vez de resgatar uma história mais romântica, resolvi apresentar para as meninas o famoso Monstro da Meia. Meu pai faleceu antes das duas nascerem, então relembrar histórias como essa fazem com que ele, de alguma forma, esteja presente na vida delas.

As meninas olhando fotos do avô

Como a Rafaela estava junto e ainda é muito pequena, pegamos um pouco mais leve do que o monstro do meu pai. O nosso monstro da meia apareceu de manhã, com o quarto iluminado. Queria que, nesta primeira vez, as duas tivessem certeza que o monstro era o pai delas. A farra foi tão grande com a entrada do Monstro da Meia no quarto (nós três ficamos na cama agarradas e cobertas enquanto o monstro tentava pegar a gente), que depois todo mundo quis se transformar também.  E passamos a competir para ver quem era o Monstro da Meia mais feio. Só a Rafaela que não se transformou, porque para ela ainda é muito incômodo colocar a meia-calça no rosto.

Como fazer: pegue uma meia-calça velha, de preferência cor da pele, e vista na cabeça pela parte da cintura. Dá para respirar normalmente, não há nenhum perigo. Quanto mais você repuxar a meia, mais ela vai deformar o rosto. E, a partir daí, crie a sua própria história de terror! E eu garanto: no escuro dá medo mesmo!

*#Desafio 8 - Esse texto faz parte do desafio “100 Coisas para fazer com seus filhos antes que eles cresçam”, proposto pela Royal, do qual eu estou participando ao longo de 20 semanas. Também estão participando os blogs @pontecialtweet @avidaquer @blogcoisademae @dica_de_mae e @cozinhapequena

5 comentários:

Ana Paula disse...

Roberta com todas as "técnicas de educação"que nos cerca, acho que fomos perdendo muito desses "medos"da nossa infância. Hoje tudo é explicado, científico para não gerar traumas e um pouco da magia se foi. Nós, pais é que ficamos com medo de histórias de medo para nossos filhos!
Uma linda homenagem ao seu pai com esta iniciativa.
beijo

http://abrindoclareiras.blogspot.com.br

Lorraine disse...

que legal, Roberta! as meninas devem ter se divertido mesmo!

Aqui em casa o marido ama inventar histórias sobre as fadas que balançam as árvores, duendes que moram dentro das paredes, meu filho mais velho sempre amou ouvir as histórias dele e muitas vezes era uma maneira de distraí-lo em viagens de carro. Hoje, esse filho que gosta de criar histórias para a irmã, ela ainda não entende muito, mas ele não desiste! Só não rola terror, se bem que um monstro da meia a luz do dia é um monstro bacaninha hein? amei!

beijos

Dani Rabelo disse...

hhahahaha eu ri aqui sozinha, no trabalho!!!

Vou fazer com a Laura, assim que ela tiver idade para entender!

Beijos!

Re disse...

Hahah, nossa se fosse comigo eu teria feito xixi nas calças, pq ate hoje qd acaba a luz eu fico tensa, com medo..imagine com um monstro da meia, socorro!

Renata disse...

hahahaha, por que é que pai é assim, né? Adoram uma brincadeira de susto.
Fiquei só imaginando o monstro da meia e adorei vcs terem recriado para as pequenas.
beijoca