quinta-feira, 25 de agosto de 2011

A boneca e a criança de sítio

Ontem fui a um evento organizado pela Santa Constância, fabricante de tecidos, que estava lançando sua primeira coleção específica para o público infantil. Não trabalho com moda e também não sou tão ligada ao assunto a ponto de me importar se o tom de vermelho que vai ser usado pelas crianças no próximo inverno segue a tendência da Chapeuzinho Vermelho ou a da maçã da Branca de Neve. Também não me importo muito se a tendência é usar roupas com finalizações arredondadas ou em bicos.

Mas, além de uma palestra sobre sustentabilidade na fabricação dos tecidos que foi muito interessante, esse evento me fez pensar sobre meu próprio comportamento em relação à moda infantil comparando a primeira com a segunda filha. Eu fiquei pensando em como a gente passa a priorizar o conforto sobre a estética quando tem um segundo filho.

Com a Luísa, eu brincava de boneca. Separava sempre a roupa dela com antecedência, usava roupas nem tão confortáveis mas que ficavam mega master fofas nela. Usei muitas vezes aqueles bodies com golinhas engomadas que aparecem por fora do macacão porque achava chique. Colocava mil vestidos com meia calça e sapatinhos combinando, apesar de nunca ter gostado do estilo de roupas bolo de festa. Sempre fui na linha um pouco mais modernosa).

Já a Rafaela parece criança de sítio, como diz uma amiga. Abandonei as roupinhas jeans durinhas da Luísa, ignorei os bodies com golas, coloco menos vestidos e mais calças confortáveis. Deixo ela se sujar sem pena de ser feliz. E não tenho nem tempo de separar as roupas do dia-a-dia, vai no mau gosto da babá mesmo (adendo: incrível tal pessoa não tem noção alguma de combinação de roupas. Às vezes eu tenho que dar uma vetada porque passa dos limites do aceitável rsrs). E, nesse mesmo embalo, também não me preocupo mais em embonecar a Luísa. Até porque ela é da linha legging-camiseta o dia inteiro.

Evidentemente elas ficam mais arrumadinhas nos finais de semana e quando nós viajamos, mas ainda assim priorizo sempre o conforto - o que não significa que não compre roupas bonitas pra elas, ao contrário. Só deixei de brincar de boneca com elas. E certamente elas ficam muito mais à vontade para serem crianças como devem.


13 comentários:

Carol Garcia disse...

kkkk...
isaac já faz a "linha rafa de sítio" sendo o primeiro.
que será do meu segundinho??????
o_O

kkkk

bjocas nas meninocas

yahhh disse...

Aqui também comecei brincando de boneca e agora Alice usa os bodys e macacões mais confortáveis possíveis. Lógico que as vezes ainda enfeito e faço ela parecer bonequinha, mas priorizo muito mais o conforto dela, ainda mais sendo tão bebezinha! (:

Beijoos

Bianca disse...

A Ju eu quis brincar de boneca, mas no aniversário dela de 01 ano ela ganhou tanta roupa que ficou difícil - pcpalmente pq ela passa a semana toda na creche.....

E, como prematura, as roupas demoraram a dar nela....

Rsrsrsr

Beijos

Lia disse...

Engraçado, Rô. Eu via minha fotos de infância, eu e meus três irmãos, todos com roupas surradas, sujos, os cabelos desgrenhados, e me perguntava: "nossa, como minha mãe deixava a gente sair desse jeito?". Hoje eu sei que ela que sabia o que fazia uma criança feliz.
Eu não ligo nada pra essas bonequices (aliás, é por isso que tem gente que acha que eu não devia ter o direito de ser mãe de menina!). Acho um charme blusa e shortinho, o look básico de Emília na creche. Aliás, eu até deixo ela escolher as roupas, sabia? Desde que ela não queira usar o vestido que a vovó bordou pra ir no parquinho, por uma simples questão de preservação da peça!
Bjos!

Renata Diniz disse...

Bravo, Roberta! Eu concordo. Não faço a comparação porque sou mãe de filha única. Porém, aprendo muito aqui. Beijos!

Camila disse...

Eu ainda brinco de boneca e de boneco em ocasiões especiais, tipo final de semana, festa, viagem e etc. Tenho um TOC louco com as combinações! Uma vez, a babá, de gosto duvidoso, como vc sabe e disse, vestiu os meninos e o meu marido olhou e disse: "nossa, mas que proeza!!". Daí que a história da proeza virou marca da família. Qdo a babá arruma as crianças da cabeça e do gosto dela, sempre vira e me pergunta: "tá bom ou tá uma proeza?".
Mas, olha, ouvi falar que vermelho chapeuzinho é o must, Rô! Só se fala nisso em Paris e Milão, hahaha!
Bjos,
Camila
www.mamaetaocupada.com.br

Marina disse...

Rô, kakakakaka dando risadas de doer a barriga!

Bia foi uma bebê bem arrumadinha, nunca engomadinha, pq gostava de colocá-la mais modernete!

Aí q depois de 1 ano virou criança de sítio total. A ponto de duas semanas atrás, tivemos q sair de casa às 4:15 da madruga pra ir pro aeroporto. Levei a Bia com a roupa que estava dormindo, um moletom. Chegando no aeroporto minhas primas vieram logo perguntar se eu ia "deixar ela viajar daquele jeito"! Disse que qd nós chegassemos em Montevideo eu mudava pq queria q ela dormisse confortavel no avião. Qd cheguei lá pensei "Ah, é só até o hotel!"!!!
As tias é que não deixaram a Bia seguir de moletom surrado e trocaram a menina antes de o transfer chegar! kakakakakak


Ass.: Mãe de sítio! kakakakakaka

Roberta Lippi disse...

Hahahahaha, Marina, essa sua história é boa demais!!! Adorei!! Beijos, querida (sumidona, hein?)

Renata disse...

Eu sempre priorizei o conforto em mim mesma (sou básica até demais) e segui assim com meus filhos. Às vezes acho até que minha filha anda largada demais (mas quando se emporcalha uma troca de roupas a cada 10 min, o que fazer?)
Bia ganhou muitas roupas lindas ao longo de seus quase 2 anos, algumas das quais eu nunca tive coragem de colocar nela. Ou porque limitavam movimentos, tinha apliques ou detalhes que incomodavam, ou porque era um vestido de alça com um tecido ultra quente (não serve nem pro verão e nem pro frio), enfim, nunca tive coragem porque eu imaginava como aquilo me incomodaria, então não vestia num bebê que mal reclamava quando algo não ia bem. No máximo vestia, tirava umas fotos e trocava de novo.
Acho que com criança tem que ser assim, sem incômodo (infelizmente a maioria das roupas confortáveis não conseguem ser bonitas e vice versa). Quando eles crescerem, vão saber escolher o que interessa mais, conforto ou beleza, e aí é com eles :)

Malu disse...

Oi, Roberta,

Espero que sua babá não leia o seu blog, não é?

Atenciosamente,

Malu

Juliana Ramos disse...

Como só tenho UMA menina, ainda brinco de boneca... MAs como tive DOIS meninos antes, facilmente ela vira menina de sítio.
Até aproveitei algumas roupas deles...rs

Bjo

Chris Ferreira disse...

OI Roberta,
também priorizo o conforto. Já era assim com a minha primeira filha. Apesar de comprar algumas roupinhas bonitinhas sempre busquei o conforto.
Também não sou muito ligada nas tendências.
Sempre fui adepta de que criança tem que se vestir para poder brincar. Já viu a dificuldade das meninas em parquinhos quando estão de vestido? Sempre pisam na barra da saia quando vão subir as escadas dos brinquedos. Fico na maior agonia. kkkk

beijos
Chris
http://inventandocomamamae.blogspot.com/

Flor de Menina disse...

Oi amiga
adorei seu blog, adorei a postagem
Visite o meu tbém
bjos
sandra