segunda-feira, 18 de julho de 2011

Convocando a maternidade real

A mãe já havia levantado várias vezes durante a noite. Ora um filho, ora outro. Mas isso ela já estava acostumada e fazia sem reclamar.
Por volta das 4h30 da manhã, seu bebê de pouco menos de um ano acorda e ela vai niná-lo como de costume. Percebe que ele está com fome e o alimenta. Ele dorme no seu colo mas não quer ser colocado no berço. A mãe, então, fica de pé ninando a cria como sempre faz. Mas o tempo foi passando e nada de conseguir colocá-lo para dormir. Quando ela o punha no berço, de olhos fechados, ele acordava e começava a chorar. A mãe então o pegava novamente no colo e, calmamente, dava passos pelo quarto escuro, sem emitir qualquer ruído, para ver se o filho adormecia de verdade. Ela tentava sentar na poltrona ao lado do berço, mas ele reclamava. Queria ficar de pé. O tempo foi passando e a mãe começou a ter dor nas costas por ficar tanto tempo em pé com o bebê no colo. Tentou levá-lo para a cama dela, mas novamente ele esperneava. Queria ficar em pé. Era só a mãe levantar que ele se acalmava e dormia novamente. Mas ela tinha de ficar em pé.
Quase duas horas depois, com as costas doendo muito e um cansaço mental ainda maior, a mãe desiste de fazê-lo dormir e resolve tentar brincar com o filho. Mas ele não quer brincar. Ele quer dormir no colo da mãe em pé. A mãe chora de cansaço e de dor nas costas. Porque se o filho estivesse doente, ela passaria dez horas em pé com ele no colo se fosse preciso. Mas não era o caso. Ela sabia que era manha.
A mãe estava sozinha em casa naquela noite com as crianças e não tinha com quem dividir aquele fardo (fardo sim, porque naquele momento a situação não era nada light e as mães são humanas, certo?).
Chorando, então, ela decide que o filho precisa perceber que não pode fazer isso com ela. Ele não tinha o direito de exigir que a mãe não se sentasse ou se deitasse com ele no colo.
Ela então coloca seu filho no berço e o deixa chorando por um periodo bem curto mas que parecia uma eternidade. Fica sentada na cama ao lado do berço olhando para o filho, pra mostrar que estava ao lado dele. Ele chora, esperneia. Ela está em frangalhos, mas persiste. Depois de poucos minutos (ou seria segundos?), pega o filho no colo de novo. Ele se acalma, deita nos ombros dela. Ela lentamente se senta, mas o filho insiste que ela fique em pé. A mãe resolve ser mais firme. Deixa o filho no berço, dá um beijo nele e sai do quarto. E a criança fica ali por alguns minutos chorando. Até que vai se acalmando, acalmando, e dorme sozinho.

Agora me digam, mães da maternidade real: é justo condenar uma mãe por deixar seu filho chorando em uma situação como essa?  Ainda acham que, em qualquer situação, o filho é quem manda e que deixá-lo chorando irá lhe causar traumas? Acham que essa mãe foi preguiçosa ou que negou carinho ao filho? O que vocês fariam?

41 comentários:

Carol Passuello disse...

Rô, cada mãe e filho sabe da sua relação. Eu nunca deixei meus meninos chorarem, talvez esse seja o meu erro (com um ano e 4 meses ainda não dormem a noite toda). Sou fraca, me dói o coração deixá-los chorar, não consigo. Não acho certo, pro meu jeito e pros meus filhos. Mas faço milhares de outras coisas questionáveis e agora eles viciaram em Backyardigans... Cada uma sabe de si, né?
Bjs

Larissa Xavier disse...

concerteza ninguem deve condenar, afinal maternar é cuspir pra cima todos os dias e cair na testa, então é dificil saber o que faria no momento, provavelmente eu tbm não deixaria no berço chorando, mas sei como é qdo as costas não aguentam mais... bjocass!

Flavia Bernardo disse...

Ro,
passei poucas e boas com Arthur e seu sono desregulado por 4 meses. Acordava a cada hora ou menos à noite. De dia só dormia por 20min-30min.
Desesperador!
Mas nunca tive coragem de deixa-lo chorando. Sabia q era fase e que um dia ia passar.
Eu, hoje, digo que não deixei e nem pretendo deixar meus futuros filhos chorando. Mas isso é o que eu penso. Não digo que é cruel preguiça, falta de amor, nada disso! Mas EU não acho justo deixar um bebe táo pequeno e que não entende nada disso ainda sentir essa sensação de abandono. Mas claro, cada um sabe onde o calo aperta!

bjks

Mamãe disse...

Olá Roberta,
Nunca deixei o Breno chorando porque felizmente não tive esta necessidade, quando acorda no meio da noite percebo que é somente para chamar a nossa atenção, entramos no quarto e ele dorme novamente. Em casos mais extremos (cansaço ou frio) não penso duas vezes e o levo para minha cama, que também resolve... Fique tranquila, agiu de acordo com o momento...
Bjs
Fabiana Araujo
www.brenohenrique.com

disse...

Roberta,
Maria Ísis sempre dormiu em nosso qurto, numa caminha separada, ms gora com o quarto novo e três an de idade, vem fzendo manha pra dormir, noite passada, ninei, dei colinho, carinho e mesmo assim fez pirraça, então, ficou chorando em sua caminha que estava ao lado da minha. Acho que cada caso é um caso, devemos ponderar e tambem saber que se não estivermos bem fisica e mentalmente não tem como darmos nosso melhor a eles.
Ah e como dizia a minha avó: "Pé de galinha não mata pinto." rsrs
Beijos e boa semana.

Carol disse...

Querida, faço coro com as meninas aqui em cima: cada caso é um caso e cada um sabe onde o calo aperta. Eu nunca deixei Luqui chorando, mas já fiquei alguns segundos olhando pra cara dele: ele berrando e eu muito séria e muito afim de gritar. Sim, eu tive vontade de gritar. Me diz no que isso iria ajudar? Em nada, né. Então, embora deixar chorando seja uma coisa que acho que não rola na minha casa (pelo menos não agora que ele é tão pitico e não conhece outra forma de comunicação), eu entendo perfeitamente o que leva uma mãe a tomar essa decisão, de verdade.

fica bem, viu?

beijão!

Patrícia Boudakian disse...

Rô, é isso mesmo que as meninas aí de cima disseram. Ninguém pode julgar uma mãe por deixar ou não o bebê chorando.
Eu nunca fiz isso com a Alice a não ser por segundos, como a Carol escreveu...
Não fique mal...!!!
Beijos

Carol P disse...

Colocar limite nas criancas desde pequenas nao acho ruim nao.
Acho q deixar chorar um pouquinho nao faz mal nao, pior eh a mae ficar histerica ou descontrolada, isso com certeza eh pior.
Sinceramente quem sou eu para julgar....

Bj carol

Paula Dreger disse...

Cada mãe sabe seu limite e o limite do seu filho.
Concordo com as meninas: cada caso é um caso.
Eu não precisei deixar a Bel chorando pois no dia que eu cheguei ao meu limite, eu a coloquei no berço e ela ficou lá brincando e dormiu, e assim foram os outros dias.
Mas, essa foi a minha experiencia. Nao julgo nenhuma mãe. Cada uma sabe o que faz pelo seu filho.

beijo

Angela e Mateus disse...

Oi Rô..Quando meu baby era menorzinho eu não deixava chorando, mas agora ele já está com nove meses e quando ele está dando muito trabalho para dormir primeiro verifico se ele está com fome, com frio, calor ou com alguma dor, caso não seja nada disso deixo chorar por algum tempo, caso ele não se acalma sozinho, pego e tento tudo novamente, mas na maioria das vezes ele chora só alguns minutos, se acalma e dorme sozinho ! Foi agindo assim que ele aprendeu a dormir sozinho no berço !. Acho que cada caso é um caso e só a mãe pode saber se o que está fazendo é certo ou não para o seu filho...e muitas vezes erramos, mas erramos tentando acertar e não por negligência !

Ara disse...

Eu deixaria chorar um pouquinho!
Não acho que seja o fim do mundo e outra coisa mãe também cansa.
O bebê chorou um pouquinho se acalmou e dormiu... Não há nada de errado nisso.

Mari Mari disse...

Também não acho isso errado, mas pessoalmente não gosto de deixar bebê chorando. Conhecendo meus filhos, um episódio desses na verdade significa que ele dormiu demais no dia anterior e perdeu o sono as 4:30. Aconteceu semana passada aqui em casa. A mocinha acordou as 4:30, tomou leite e nao quis dormir. Dali meia hora desisti de botar pra dormir e ligamos a luz e a tv na sala. 5:30 ela dormiu no meu colo, eu voltei pra cama. 6:30 o mais velho acordou. no dia seguinte, controlei o número de horas de soneca durante o dia (o limite dela é duas horas de soneca), e pronto, nao aconteceu de novo. Eu acho que cada mãe tem o direito de fazer o que acha melhor pro seu filho, porque o que funciona na minha casa, pode nao funcionar na dos outros.

Camila disse...

Humm, tô sentindo um cheiro de "Nana, Nenê" por aqui... Eu fiz! Eu apliquei! Eu recomendo! Funciona muito bem! Parece cruel, mas não é um abandono total de uma criança se esgoelando, nada disso! A gente acalma, sem tirar do berço, explica e se certifica de que não há nada de errado, de que é manha mesmo. A maioria das pessoas é contra e tbem me parecia assustador, mas qdo me vi numa situação assustadora e exaustiva, botei em prática e sou fã! Mas, sei lá, cada um é cada um, né?!
Bjos e boa sorte aí!
Camila
www.mamaetaocupada.com.br

Julia disse...

A minha filha nunca teve problemas pra dormir! pq na primeira vez que ela teve uma grise de choro no berço, por birra mesmo, eu deixei sim ela chorar um pouquinho e expliquei que ela tinha que dormir, tda aqula ladainha.não vejo sentido nenhum nessas mães que tem por ai na blogosfera que vivem em frangalhos, reclamando que não tem tempo pra dormir, trabalhar, e nem pra IR AO BANHEIRO.Poxa ensinar, dar limite aos filhos na hora de dormir tbm é educar né!Tem mãe que parece que tem orgulho ao dizer que vive pros filhos , que não faz mais nada etc etc.Acho um absurdo, maternidade n é essa dificuldade toda n .

Julia disse...

ahh e acho mto estranho o que acontece em mtos blog por ai: mães que nunca bateram, nenhuma palmadinha sequer, nunca gritaram, e também nunca deixaram um filho chorando por um tempinho!Só pode ser o efeito babá ou/e empregada né!!!ai é fácil, fácil!

Anônimo disse...

Rô querida, te acompanho a bastante tempo e quem te acompanha sabe da sua dedicação, bom senso e cuidado com as meninas. Se esta foi a decisão que vc tomou naquele momento e situação, pode acreditar foi a mais acertada. Mãe é gente e tem limites físicos e emocionais.E os filhos devem aprender a compreender isto.Fique tranquila com a decisão que vc tomou naquela situação. Bjocas Fabi e Laura

Avassaladora disse...

Não se culpe, tem hora que eles tem que entender mesmo... eu uso a estratégia do senta e levanta, uma hora eles cansam de reclamar e dormem sentados mesmo...heheheh

Marina disse...

Rô, na boa! Nem pense em se martirizar por conta disso! Uma coisa é uma mãe ignorar o choro de um bebê faminto, com dores, cansado ou que precisa ser acalmado por uma razão relevante. Outra coisa é uma mãe que, eventualmente, vendo que seu filho está de birra, deixa a cria chorar um pouco!
Já deixei Bia chorando tb duas vezes e uma foi numa situação idêntica a sua, a diferença é que não sai do quarto, fiquei do lado dela, fazendo carinho até que ela se acalmasse e voltasse a dormir. EStava gripada, corpo totalmente moído e tinha passado a hora anterior todinha com ela no colo! E cada vez que ela dormia e eu a colocava no berço, escândalo!
Ela levou muito tempo pra se acalmar, acho que uns 40 minutos, mas dormiu depois e acordou muito feliz! Não sinto que a abandonei ou que ignorei qualquer necessidade dela! Muito pelo contrário!

E no mais, como a mãezarada toda disse aí em cima! Cada um sabe onde aperta seu calo! rs

Flá disse...

Ro, seu texto me fez lembrar um artigo que li esses dias na revista época e super concordei:

http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI247981-15230,00.html

beijos

Anne disse...

Eu compreendo perfeitamente essa mãe - sendo também uma ex coruja em frangalhos.
Mas acho mesmo que o que importa é o que ELA pensa. Eu nao fui adepta do deixar chorando, mas fiquei INFINITAS noites com ele no peito quase sangrando (na época das mordidas desvairadas).
Em um outro prisma, por outros grupos tb me senti julgada: em estar mimando, mal acostumando, viciando, estragando meu bebê.
Mas aí eu pensava: que outra opção EU tenho? Quais sao os MEUS limites? E bola pra frente...
Cada criança e cada mãe merecem respeito individual por suas historias...
Bjo

Dani disse...

Ro, faltam quinze dias para completar um ano de noites MUITO maldormidas. Nesse tempo, não sem muita culpa, já deixei chorando algumas vezes (inclusive no modo crueldade-desespero de causa on, deixar chorando sozinha no berço escuro, depois de sei lá, dez dias dormindo duas horas por dia) e olha, quem quiser me julgar que venha aqui na minha casa e fique no meu lugar.
Esquenta a cabeça não, querida. Mesmo. Ninguém aqui é perfeita.

Le Greco disse...

Roberta, acompanho seu blog e quase nunca comento, mas hoje achei que devia.. :)
Nao vejo nada de errado no que aconteceu! Errado é quem abandona, nao da carinho, nao brinca, nao da atençao!!!! Uma mae cuidadosa, afetuosa e presente que precisa ensinar a criança que é hora de dormir e principalmente como dormir, nao esta fazendo nada de errado e muito menos mal para essa criança! Tenho uma filha que esta fazendo dois anos essa semana. Ela dorme super bem e sozinha no berço, sinceramente, acho que como todas as outras coisas, nós a ensinamos a fazer isso!!! Aprender a dormir, na minha percepçao é como aprender a fazer tantas outras coisas!!! Antes dela dormir, canto, conto historia, faço muito carinho, mas ela vai para a cama acordada e ai fica ate dormir! Se acorda de madrugada, apenas vejo o que esta acontecendo, se tem algo de errado e saio do quarto depois de fazer um carinho. Acho que isso faz bem para nos duas!!! Para chegar nisso, ela ficou umas 2 ou 3 (veja nao foram varias pq eles nao precisam de tantas)vezes chorando de madrugada, eu chorando junto no meu quarto por pouquissimos minutos que foram uma eternidade!!! Mas, como tudo passou e nao acho mesmo que sou uma mae insensivel pior ou durona por isso, muito menos que minha filha é carente ou se sinta abandonada!!!! Porem, cada um sabe de si e os nossos limites acabam sendo os deles....

Gleice disse...

Já deixei chorar, assim como já acarinhei muito.
Eu acho que o que vale é a mãe entender o motivo do choro. No exemplo que você deu era apenas a vontade do bebê e não algo maior como o desconforto físico (por exemplo).

Não creio também que o choro por alguns minutos possa traumatizar um bebê. As agressões físicas, os maus tratos, as agressões verbais constantes é que causam traumas.
A falta de amor e o descaso também.

A Camila do Mamãe Tá Ocupada!!! levantou hoje um questionamento sobre a posição da filosofa Elisabeth Badinte, que diz: "As mães que põem os interesses e as vontades dos filhos sempre acima dos seus são vítimas desse equívoco historicamente determinado [o mito do amor materno instintivo]. Essas mães acreditam que a dedicação incondicional pode ajudar a produzir uma criança perfeita, resultado dos incentivos constantes."

Verdade seja dita: depois que o trauma foi descoberto, tudo gera trauma e tudo faz mau para as crianças!

Infelizmente a geração dos nossos filhos será a geração mais traumatizada e mais descompensada dos últimos tempos simplesmente porque não estão aprendendo a ouvir não e não estão tendo a oportunidade de se frustrarem.

Bjo.

Juliana disse...

Roberta, sempre leio seu blog. Adoro! Embora pouquíssimas vezes tenha comentado.
Olhe, você agiu como tinha que agir! Leio tantos comentários de mães dizendo que NUNCA deixaram o filho chorando NEM UM POUQUINHO, e me faço a mesma pergunta que fez o maravilhoso Fernando Pessoa, em seu lindo Poema em Linha Reta: Meu Deus! Onde é que há gente no mundo? São todos Príncipes e Semideuses, menos eu?
Eu também sou mãe, também tenho meu bloguinho. E, como não tinha babá, muitas vezes tive que deixar minha filha chorando, sim! Quando eu estava tomando banho e ela chorava, eu tinha que deixar, pois precisava terminar meu banho. Precisava ir ao banheiro, comer e essas coisas que gente faz, né?
Quando ela fez nove meses, eu estava muito cansada dela acordar a noite de hora em hora. Então, com a autorização do pediatra e de meu coração de mãe, tive que ensinar minha filha a dormir sozinha, sim!
Ela chorava, eu ia, alimentava, trocava fralda, acarinhava e deixava ela no berço. Ela continuava chorando, mas eu sabia que era manha e ia chorar no meu quarto, esperando que o choro dela se acalmasse. Durava, no máximo, três minutos, marcado no relógio. Depois ela dormia feito um anjo. E eu dormia feito gente!
Esse aprendizado demorou uma semana. Depois, ela só passou a chorar quando realmente precisava de mim. Seja porque estava doente, e eu levo pra minha cama, seja porque tinha um pesadelo ou algo parecido, e eu espero ela acalmar do lado dela!
Desculpe o livro! Mas me intriga muito essas mães perfeitas, sei lá, acho meio esquisito!
Bjos!
Juliana Almeida
www.blogdabebel.com.br

Camila Bandeira disse...

Rô, atire a primeira pedra quem nunca passou por situações assim!!! Todas as mães precisam aprender de uma vez por todas que não somos perfeitas. Somos humanas, cansamos, temos TPM, temos preguiça e todos os outros sete pecados... Amamos nossos filhos, mas também não somos de ferro... Fazemos tudo por eles, mas também temos dor nas costas. Somos fortes quando eles estão doentes, mas nós também ficamos doentes....E quem vai cuidar dessa mãe com dor nas costas??

Rosa Lopes disse...

Oi Roberta, eu fui mãe de bb refluxo, foram horas de colo e choro forte no pé do ouvido não tem como a criança não acostumar e isso se refletir no sono depois que o perigo da situação é superado. E como tirar esse hábito que foi colocado, como fazer uma criaturinha de 10 meses entender que agora está tudo bem e as coisas precisam mudar?Não dá, não há resposta. A solução é disciplina, rotina e muita paciência.
Dá certo uma noite e duas não, se muda a tática mil vezes, mas é necessário, eu segui por muito tempo "soluções para noites sem choro" e de todas formas tive noites de acompanhar o choro depois de nada mais ter efeitor.

Nunca funcionou comigo deixar chorando e sair, até pela insegurança do bb engasgar, mas por na cama (eu fiz/faço cama compartilhada) e balançar o bumbum enquanto chorava ou ficar do lado cantando baixinho no ouvido mesmo que ela berrasse, fez parte sim.
Só consegui fechar esse ciclo fazendo-a dormir sozinha toda a noite com 1a e 7m.

Tem bb que aceita mais tarde têm outros que não, uns de primeira outros se mostram super inseguros, daí a rotina ser fundamental.
Faça seu plano de como vai trabalhar a mesma situação, o que pode usar para acalma-lo deixe tudo preparado com antecipação e vá usando aos poucos cada dia uma coisa até formar o ambiente, demorando um pouco ou não, vai dar certo.

Acho que repeti muita coisa do que já foi dito, mas não tem problema é uma opinião a mais.

Segundo filho às vezes põe a gente pra pensar e quebrar a cabeça. O que mudou em mim foi perder o medo de errar, me tornei uma mãe mais confiante quando deixei de idealizar ou achar que minhas crianças eram piores que as outras, ou eu era mesmo a incompetente.
Hoje eu não me assusto mais com nada, e pra tirar o espanto que causam meus erros ou atitudes nos outros eu entro logo dizendo que sou péssima mãe aí já se acalmam e me deixam em paz. Não brigo com o ego de ninguém, sei que faço a minha parte com amor e sem perder de vista o limites de respeito por mim e é tudo.
Bj

MarciaSP disse...

Oi Roberta,
Eu também me assuto um pouco com tanta gente que nunca deixou o filho chorando... Mas eu já deixei sim e ainda deixo (ele já tem 3 anos!). Quando ele era bebê, eu chorava mais do que ele, mas não me arrependo... Acho que quando temos convicção das nossas escolhas, tudo fica mais leve. É claro que com ele não tinha certeza de nada, né? Agora, grávida da segunda, sei que vou agir com mais tranquilidade nesses momentos...
Não somos heroínas!!
bjs

CM disse...

Quando a minha filha era pequena não deixei chorando, não gostei do Nana nenê e sinceramente não foi preciso. Agora, com quase 3 anos, deixo chorando sozinha sempre quando o motivo é manha, ou seja, quase todas as vezes. Sempre peço que ela se acalme, pois aí eu volto ao quarto. Não dura 10 segundos. Eles são capazes de se acalmar, mas não sabem disso se não mostrarmos a eles.

Mariana Junqueira disse...

Oi Roberta, tudo bem?
As crianças são diferentes e os limites das mães também. Tenho conhecidas que conseguem ficar horas a fio com bebês no colo. Eu não consigo, infelizmente. Da mesma maneira os bebês são muito diferentes também: gostaria que minha pequena dormisse no colo e continuasse dormindo quando colocada no berço. Faria isso todo dia, sem problemas. Mas ela não é assim, se dorme no colo acorda assim que coloco no berço (de boba não tem nada!). E aí tive que deixá-la a aprender a dormir sozinha, que jeito? Chorou, às vezes pouco tempo, às vezes bastante tempo. Quando está irritada demais acalmo de novo no colo e volto a colocá-la no berço (e saio do quarto, pois se fico lá ela fica mais nervosa ainda - manha, conhece?). É claro que não gosto de ver minha pequenina chorando, mas infelizmente meu limite tinha chegado. E depois de tomar essa decisão, meu marido me proibiu de ficar lendo livros sobre o sono dos bebês, sobre mães cruéis que deixam seus bebês chorarem (a gente sempre se sente em dívida com nossos filhos, achando que podemos fazer mais e melhor). Para mim e para minha caçula o esquema estava funcionando. Isso fazia dela uma criança melhor e de mim uma mãe melhor. Você não está sendo negligente, está sendo coerente com você e com o que está sentindo. Sua filha não vai ficar traumatizada, vai é ficar muito bem de ter uma mãe que age honestamente!

Fe Piovezani disse...

Rô, não condeno de modo algum essa mãe.

EU nunca consegui virar as costas e deixar minha filha chorando no berço, mas é porque o fato de deixá-la chorando, pelo barulho mesmo, pelo stress de ter que ouvir aquele choro me incomodava. Já até tentei algumas vezes fazer isso, mas nunca consegui.

Na verdade não me lembro o que fazia. Na verdade nem sei se Luísa dava esse trabalhão todo. Não era santa não, mas não me dava trabalho.

Ah, lembrei: ela dormia comigo na cama, porque mamava, e bem, durante a noite, então para evitar canseira, eu já deixava ali mesmo.

Cleide Ana Rota disse...

Cada mãe sabe o que é melhor para seu filho e o que parece ser o correto, não é? Como disse a Larissa no seu comentário; ninguem deve condenar, afinal maternar é cuspir pra cima todos os dias! Eu chorei muitas noites sozinha com minha filha nos braços de tanto cansaço, mas nunca tiver coragem de deixá-la chorando (e quem chorava eu!). Dormir? Eu não sei mais o que é isso... Afinal, ser mãe em tempo integral é a coisinha mais estressante e maravilhosa que existe... Beijos, beijos.

Naomi disse...

Eu acho que a gente tem que só se certificar que o bebê está realmente fazendo manha e que não está com nenhum desconforto do tipo dor ou fralda em posição errada etc e tal. Fora isso não há nenhuma crueldade em deixar o bebê chorando e PODE TER CETEZA, ele vai dormir sozinho...
Isso funcionou com a minha segunda filha. Ela está com dois anos e desde os 7 meses (depois que ela largou o peito) ela dorme a noite inteira e sozinha.
Ao contrário da minha primeira filha, com 4 anos, até hj ela zanza pela casa de madrugada querendo que eu vá dormir na cama dela. E mais, não consegue pegar no sono sozinha. Eu preciso estar do lado dela. Quem a acostumou mal?!?!
Criador e criatura...

Fabiola disse...

Roberta,
Já aconteceu comigo... e eu deixei chorando..mas não aguentava mais de cansaço e dor nas costas..conversei com ela, expliquei a situação e saí do quarto.. com o coração apertado.. chorou mas rapidinho parou..
Outra coisa que funcionou bem foi dizer a ela que eu ia fazer xixi e já voltava.. ela acabava dormindo pq achava que eu ia voltar... :) mas isso só funciona se ela já entender o que é xixi, claro...
Enfim.. acho que ninguém tem o direito de julgar ninguém.. cada um sabe onde o calo lhe aperta, não?
Bjinhos!e boa sorte..:)

Luciana - Descobertas disse...

Oi Roberta...

Concordo com a Anne que cada MÃE deve saber o que é melhor para ELA e SEU FILHO.

Eu particularmente discordo de deixar o filho chorando.
Li o Nana Nenê, O Encantadora de Bebês, e utilizei aquilo que acreditava se adequar a minha realidade. Conversei muito também com a Andreia do Soluções para Noites sem Choro pelo Orkut.

Pedro passou a dormir a noite toda entre 9 e 10 meses. Sempre tentei controlar os horários de alimentação e fazer o ritual para dormir. Ele sempre dormiu no quarto separado do meu. Acho que rotina e firmeza é necessário nesse sentido.
Acho também que em casos como esse se procure a ajuda de alguém que possa revezar a noite com a criança.
Discordo de deixar que o seio vire chupeta!
Bom, mas é o MEU ponto de vista.

Espero sinceramente que encontre a ajuda e o apoio necessário, tanto fisicamente quanto emocionalmente para lidar com essa situação.

Beijos

http://pedrodelu.blogspot.com

Ana Paula disse...

Oi Roberta. Quando eu tive meu primeiro filho, hoje com 2 anos minha mãe estava comigo. O bebe mamava e dormia, morria de dó de acorda-lo e o negocio virou um inferno porque ele nao mamava direito e pouquissimo tempo depois tinha que amamentar de novo, fui ficando destruida. Lembro de uma coisa que minha mae me disse e me marcou muito. Acordo o menino, coloca ele para mamar direito e acerta esse negocio. Eu falei coitado... Ela respondeu: ELE NAO TEM DO NENHUMA DE VOCE. Na hora fiquei chocada e acho que ela tem razao. Acho que vc. fez muito bem de querer acabar com esse negocio de dormir no colo de pé. Ja percebi que mae precisa de descanso porque o cansaco extremo atrapalha o relacionamento com os filhos, mae muito cansada é mae com menos paciencia.

piscardeolhos disse...

jesus, roberts!
claro que tinha o direito de deixar chorar um tantito, eu hein?
livre-se dessa culpa.
aqui todo mundo sabe que vc é um esplendor de mãe, viu dona ro?
beijas!
ps: vi que o piscar.net não está atualizado na sua listita, ahazei! num vai me perder de vista que nós somos co-sogras, hein?

flavia bandeira disse...

Já fiz...Meu filho só dormia sozinho...A primeira noite cuspiu a chupeta umas 20 vezes eu voltei ao quarto e coloquei, a segunda noite 7 vezes...A terceira virou para o canto e dormiu...Mas depois que precisei dormir umas noites fora, com meu marido no hospital, minha mãe tirava ele quando chorava...E essa semana mesmo ele com 2 anos e 10 meses fez uma pirraça que não queria dormir no berço dele. Foi 1 hora de choro até ele perceber que ia ficar lá...Eu do lado dele. Aí virou e dormiu. Me sentí um pouquinho má, mas cada um tem seu jeito de pensar e direito de escolha, né?

Ilana disse...

Sabe de uma coisa? Eu também já deixei chorar e não me arrependo nem um pouco. Ao contrário, ele já estava quase com um ano, não havia motivo nenhum para o choro e aquilo foi minha carta de alforria.
Não ligue para o que os outros pensam, ninguém está na pele de ninguém para saber o que é melhor para o outro.
E que post corajoso, hein?
Beijos

Cris disse...

Roberta, cada mãe sabe seu limite... eu fiz exatamente o que vc fez, mas meses antes, quando minha filha tinha uns 6 meses. Todo santo dia era a situação que vc descreveu, meus braços formigavam, eu chorava de nervoso - até o dia que resolvi que ela ia dormir sozinha no berço. Dei mamadeira, balancei um pouco, beijei e expliquei que ela ia ficar no berço e mamãe ia ficar ali, caso ela precisasse. Como disse a Ilana aí em cima, foi minha carta de alforria. Salvo situações excepcionais, ela pega no sono sozinha, sem dar um pingo de trabalho. Mas de novo: cada uma sabe o seu limite...
(e não, não acho que deixar chorando um pouco traumatize ou que essa mãe da história foi preguiçosa ; )

Coisas de mãe disse...

Ro, quando o Pedro ansceu, há 8 anos atras, nnao existia blogosfera e eu nnao tonha amigas proximas com filhos. Agi instintivamente. Ninei e carreguei no colo até que meu corpo e minha mente acharam que tinha chegado o limite. Ele começou a drmir sozinho aos 10 meses. Eu achei ótimo. Ele é saudavel e feliz. Depois disto varias amigas tiveram filhos. O filhos de uma delas omeçou a dormir quando tinha 2 meses. E foi meio natural, nada de super forçar a barra. Quando a minha Luiza nasceu achei que talvez ela pudesse começar a dormir sozinha antes do que o PEdro. O pediatra incentivou, disse que ela estava saudável, bem alimentada e que eu podia deixar chorar alguns dias, se fosse natural para mim. Em resumo, ela tambem dorme super bem, já há bastante tempo.

Os dois são crianças que tem uma relação muito tranquila com dormir, gostam de suas camas, de seus quartos.

Enfim, esta é a minha experiência. Mas não julgo quem quer dormir com filhos, quem levanta toda vz que a criança chora. Cada um que faça o que lhe convier ne?

beijos

Pati

Letícia Volponi disse...

Ro, eu sou contra deixar a crianaça chorar até dormir se isso for rotina, mas se chegamos ao nosso limite e já não podemos mais acho que é muito melhor do que ficar ali, impaciente, e até mesmo esbravejando internamente porque a criança não dorme...