quarta-feira, 29 de junho de 2011

Viajando sem filhos - dicas para quem vai e para quem fica

Ao menos uma vez por ano, nos últimos quatro anos, eu e meu marido temos tentado fazer uma viagem sozinhos. Apesar de procurarmos sempre ter nossos momentos a sós no dia-a-dia - saímos para jantar ou para fazer algum outro programa pelo menos uma vez por semana, por exemplo -, viajar é muito diferente. Porque simplesmente você não tem que esperar as crianças dormirem pra poder sair, não tem hora pra chegar ou para acordar, não tem hora pra comer, pode encher a cara de vinho ou de cerveja e, também muito importante, não tem hora marcada pra namorar. Fazemos várias outras viagens com as crianças ao longo do ano, mas reservamos sempre uma só para nós dois, mesmo que curtinha.
Lógico que dá uma saudade imensa das crianças, afinal nunca mais uma viagem será como aqueles tempos em que você não tinha filhos. Um bodinho sempre vai aparecer durante a viagem, especialmente depois de falar com eles ao telefone e quando a volta está se aproximando. Afinal somos pais e agora temos uma família, a realidade é outra - e muito melhor assim, não é?

Nem todos os casais sentem essa necessidade, conheço pessoas que fazem questão de só viajar com os filhos nos primeiros anos de vida. Cada família tem seu ritmo, seus desejos, suas necessidades e é importante que isso seja respeitado. Esse tempo muitas vezes está relacionado à amamentação, que interfere na possibilidade ou não de se ausentar por um tempo maior. Obviamente não estou aconselhando ninguém a desmamar o bebê de quatro meses porque está cansada e precisa viajar com o marido de férias, como fazem umas e outras celebridades. O que eu quero dizer é que não é um problema não querer viajar sem eles, mas também não é um problema sentir a necessidade de dar um tempinho só para o casal.

Agora, se você é desse segundo time, como eu, mas ainda não criou coragem, experimente planejar uma viagem a dois em um final de semana ou em um feriado. Depois me conta se não foi bom. Está certo que as crianças serão sempre a prioridade, mas na nossa concepção de família essa é uma forma de cuidar do casamento, que é uma parte importante desse núcleo também. Isso se reflete, inclusive, na nossa relação com nossos filhos.

Já me achando "experiente" no assunto, rabisquei aqui algumas dicas para quem vai fazer sua primeira viagem sem as crianças.

Para o casal:

- Escolha, de preferência, um lugar novo pra conhecer e explore-o ao máximo. As novidades fazem com que a gente se distraia mais e pense menos nas crianças (não há problemas em pensar nelas, mas também não dá pra ficar pensando e falando nelas o tempo todo, certo?). Pra mim não funciona ir para um lugar e ficar o tempo todo de pernas pro ar, tipo uma casa na praia. Se fico muito tempo de bobeira, fico enlouquecida de saudades e pensando que queria estar com elas. Prefiro bater perna e só parar para relaxar em alguns momentos. Mas isso vai do ritmo de cada casal.

- Deixe os resorts para quando for viajar com as crianças. Esses ambientes são muito propícios para famílias e você vai ficar se remoendo, achando que deveria ter levado as crianças também. Vá, de preferência, para um hotel que não seja tão familiar.

- Leve fotos das crianças e filminhos na máquina ou no celular, mas não vale ficar olhando de cinco em cinco minutos, esqueça delas um pouco.

- Dê uma caprichada nas roupas (inclusive nas íntimas), sapatos e acessórios. Lembre-se que você não vai ter que ficar correndo atrás de crianças e não vai ter ninguém sujando sua roupa de comida. Caprichar no visual faz bem para a auto-estima e nada como uma viagem a dois pra gente se sentir jovem e bonita.

- Aproveitem pra dormir até tarde (eu tento, mas não consigo mais como antes), tirar cochilos durante o dia... Essa é a hora de colocar o sono em ordem.

- Não brigue por bobagens. Às vezes a saudade das crianças dá um certo mau-humor, mas controle-se e não deixe isso contaminar a viagem. Curta a vida a dois, porque logo a bagunça vai se instaurar de novo. A viagem passa rápido, rápido.

Para as crianças:

- Monte uma estrutura que deixe vocês tranquilos. Não adianta viajar sem ter confiança em quem vai ficar com elas. Este é um bom exercício para você aprender a relaxar. Se a criança puder ficar com alguém que já conhece um pouco da rotina dela, melhor ainda.

- Deixe todos os telefones importantes colados na geladeira (pediatra, hospital, vizinhos, parentes etc), separe carteirinha do convênio e documentos, deixe dinheiro para extras e deixe um bom supermercado feito. Deixe uma listinha com os remédios básicos e as recomendações para quando se deve acessar o pediatra ou ir diretamente ao hospital.

-Eu prefiro deixar as crianças na minha casa em vez de levá-las para a casa da minha mãe, por exemplo. Mas isso é uma opção minha e cada família pode encontrar sua melhor alternativa. Eu prefiro em casa porque elas saem menos da rotina e vão se cansar menos. Em casa elas já têm seus espaços, seus brinquedos, seus costumes. Desta vez, as duas ficaram em casa com a minha mãe (que me dá uma super confiança) e com a babá (que conhece toda a rotina das meninas e ajuda muito nas questões práticas,  e com isso não sobrecarrega a minha mãe).

- Uma decisão que tomamos desta vez e que foi muito legal foi contratar um motorista de confiança para ficar à disposição delas (com o nosso carro mesmo) durante essa semana que estávamos fora. Como minha mãe não dirige e não temos familiares na cidade, deixei uma pessoa à disposição que as levava para passeios, natação, supermercado etc. E também ficava de sobreaviso caso elas precisassem de algum apoio de madrugada. É um investimento que você coloca no pacote do custo da viagem e que, se puder pagar, vale a pena.

- Compre antecipadamente ingressos para teatro, cinema, circo, etc. Ter algumas atividades diferentes durante esse período deixa as crianças empolgadas e faz o tempo passar mais rápido. Além disso, ajuda para que as pessoas que ficaram com elas não tenham que ficar o tempo todo pensando em atividades diferentes para fazer.

- Fale sobre a viagem poucos dias antes de ir. Criança não tem muita noção de tempo e falar com muita antecedência pode criar uma ansiedade desnecessária.

- Para que a Luísa tivesse noção de quando iríamos voltar, peguei um calendário e marquei o dia em que viajamos e o dia em que voltaríamos. Pedi que todos os dias quando acordasse ela fizesse um X no calendário, assim ela saberia quando eu iria chegar. Escrevi "eu te amo" em cada um dos dias. Isso ajudou muito a controlar a ansiedade dela.  Minha mãe contou que era a primeira coisa que ela fazia quando acordava.

Alguns posts antigos em que falei sobre o assunto:
Constatação
Viajar sem ela é bom também
Para Luísa - sobre os bilhetinhos
Viajando sem ela pela primeira vez

26 comentários:

Mamãe disse...

Roberta,
Dicas super úteis e ultrafresquinhas.....rsrs Quem sabe crio coragem agora, algumas coisas que escreveu já havia pensado, mas a dica do motorista para mim foi novidade, vou incluir na minha listinha também...
bj

Fabiana Araújo
www.brenohenrique.com

Kaka Barcelos disse...

Todas anotadas!
Sabe que estou planejando a minha 1ª viagem,e você foi a culpada! rsrsrsr li o seu post e tomei coragem,de verdade? não vejo a hora,estamos precisando muito!!!!!
OBRIGADAAAAAAAAAAAAAAA!
Um beijãoooooo
Kaka
http://aventurasdomundomaterno.blogspot.com

Ana disse...

Não vá mesmo para um resort, eu fiz isso em fevereiro, deixei meu filho e fui com o marido pra um. Quase morri vendo tantos bebês por dia, até pegava uns no colo pra matar a saudade e voltei arrependida de não ter levado ele! mas lição aqui foi aprendida, as próximas vigens aqui serão diferentes!

Camila Bandeira disse...

Meu marido está me pedindo uma viagem a dois faz tempo. Temos toda a condição de deixar essa infra pros pequenos, vou criar coragem! TODAS as dicas são excelentes! Parabéns. Beijo,
Camila

daniela disse...

Muito obrigada pelo post! Foi um ótimo incentivo para mim. Beijos! Dani

Paloma, a mãe disse...

Ótimas dicas. Nunca tive família por perto e isso sempre dificultou demais. Quando marquei viagem sozinha com o marido, a Ciça teve pneumonia. De outra, cancelamos por alguma doença. E agora com Cali pequena (e 'mamona') eu não tenho coragem, mas quero ver se crio ainda este ano, pelo menos para um fim de semana. E volto aqui para reler as dicas.
Beijos

Camila disse...

Adorei, Rô! Já tenho até uma certa experiência no assunto "viajando sem filhos", mas o seu post acrescentou boas dicas. Vou colocá-las em prática em breve, pois os meus dias de férias só com o marido estão chegando. É mto bom, né?!
Bjos,
Camila
www.mamaetaocupada.com.br

Marcela lusia disse...

Ótima dicas dicas Rô,amei!
estamos mesmo precisando viajar um pouco,vou colocar todas elas em prática!
beijokas

Renata disse...

Vc bem sabe que a minha primeira experiência não foi das melhores, mas estamos planejando outra em breve.
Amei as dicas...e adorei a idéia do motorista. Tenho um taxista super de confiança aqui e nem pensei nisso quando fui viajar. Adorei.
beijos

Ana Carolina disse...

Rô, adorei seu blog e estou seguindo.
Sobre esse tema, tenho pensado muito nisso ultimamente. Tenho gêmeos de 01 ano e 06 meses e estou tentando planejar uma viajem dessa com meu marido qq final de semana desses.
Adorei suas dicas.
Beijos e obrigada.

Ananda Etges disse...

Ótimas dicas! Realmente... o fundamental é deixar as crianças com alguém de confiança. Assim dá pra sair bem tranquilo!

Beijos, Ananda.

http://projetodemae.wordpress.com

Ligia disse...

Excelente post e obrigada pelas dicas!!! Adorei seu blog. Um bjo grande.
Ligia
www.nanamamaenana.blogspot.com

Piscardeolhos disse...

Ro, vc eh minha "colocadora de gas" oficial. Juro que me empolgo, me aguarde!
Adorei as dicas, certeza que vai ajudar muita gente.
Agora queremos fotos das ferias. Ferias sem filhos - fotos sem filhos. Ai, que maduro tudo isso, amiga.
Beijos!

Fe Piovezani disse...

Ai, Ro. Uma hora ou outra eu ei de criar coragem!!
beijos

Carol Garcia disse...

adorei o post ro,
até porque dividimos a mesma opinião e desde a gravidez eu e maridex combinamos que teriamos férias só nossas também.
e é bom saber que, mesmo com a Lu crescida vcs conseguem, pq achei que depois de um tempo eu não conseguiria deixar a cria aqui.
bjo bjo bjo

Dani disse...

Ai, Rô, este e outros posts já vão virar meu manual pra viagem que estou programando com o Marcào em 2013. Vixi...2013...
Bj.
Ótimas dicas! Mesmo!
Dani

Anne disse...

É um dossiê!
Muito bom, vou guardar na manga para quando chegar minha vez!
bjo

Lia disse...

Rô, essa coisa de viajar com o marido e deixar os bebês em casa é muito pessoal mesmo.
Eu optei por JAMAIS me afastar mais que 12h dos meus filhos até eles completarem dois anos, porque acredito que nessa fase eles ainda estão fundidos com a mãe, não se descobriram enquanto indivíduos. Enfim, eu não me sinto bem. Ainda tem o agravante de que sou obrigada a fazer várias coisas com as quais não me sinto bem, como deixar minha filha o dia inteiro na creche e passar 10h por dia longe dela. Então, quando tem férias, feriado, fim de semana, quero aproveitar o tempo pra curti-la (que já é absurdamente escasso).
Quanto ao casamento, como meu marido me acompanha nessa filosofia, é meu parceiro, nosso amor só cresceu desde que Emília nasceu. O sexo não é tão frequente, mas é maravilhoso, muito melhor que na nossa época sem filhos. Entendemos esse período (que ainda é um puerpério) como uma fase curta, que devemos viver plenamente. E vivemos com prazer.
O que fazemos a dois é o que dá pra fazer: jantar romântico em casa mesmo, com Emilinha dormindo logo ao lado; almoços juntos 2x por semana; e-mails com declarações de amor trocados durante o dia; e aqueles momentos preciosos de conversa e carinho na cama depois que ela dorme.
O que mais sinto falta são: sexo matinal e sonecas em livre demanda! Mas tudo tem seu tempo.
Beijos!

Sarah disse...

Ótimo post Ro, dicas valiosas. Adorei a do motorista e a do calendário - super simples e que a pequena curtiu! Vou guardar pra quando for minha vez.
bjos
Sarah
http://maedobento.blogspot.com/

Fabiana disse...

Muuuuuuuuuuito legal esse post, Roberta.
Tenho uma filha de 16 meses e ainda não tive coragem de viajar (confesso que nem saímos sozinhos). Mas depois dos 2 anos, vamos fazer sim de vez em quando.

Adorei as dicas.

Obrigada.

Bjos.

Leo disse...

grato pelo post! instiga a nossa coragem! sempre acabamos discutindo sobre levar ou não o pequeno de 4 anos. Estamos pensando se levamos ou não ele para numa viagem mais longa, de um mês, para o exterior. Para ele seria uma festa, e para nós seria gratificante tbm, mas por outro lado teriamos que ficar 'sempre alertas' com a figurinha, e as vezes não poder aproveitar muito...

Anna Danyelly disse...

Nossa estou sofrendo há 2 dias, vamos viajar amanhã e vamos deixar nossa pequena de 3 anos pela primeira vez!! Ela vai ficar na nossa casa com os meus pais, o sentimento de culpa é imenso, mas foi amenizado por vc, obrigada pelas dicas!!!!

Anônimo disse...

Ajuda por favor!

Quero fazer uma viagem para o exterior
de 4 dias com minha mae, acompanha-la no trabalho, e deixaria meus pequenos em casa com empregadas e meu marido (que esta apenas de manha em casa, depois vai trabalhar e volta tarde).

Sou mae periodo integral, dou banhos, levo na escola, natacao, coloco para dormir etc. A mais velha tem 4 e meio e o bebe tem 1 ano e 2meses.

Como voce enxerga essa estoria?
Tania.

Cíntia Sá disse...

Amei as suas dicas. Estou louca de ansiedade e muito nervosa porque quero muito viajar ao exterior com meu marido daqui a 5 meses e penso nisso todos dos dias porque meu filho, que até lá, terá 3 anos e 5 meses nunca dormiu sem mim. ele é bem independente, mas acho que eu é que não aguento ficar sem ele. Tenho medo de passar a viagem toda me culpando por isso. Espero não me arrepender. obrigada e um abraço!

Anônimo disse...

Olá Roberta, adorei o blog! Também viajo uma vez por ano sem as crianças, meu filho de 4 anos fica meio ansioso mas dá tudo certo. Acho que vale super a pena! Mas estou um pouco ansiosa pois meu filho pediu para ir à Disney no aniversario, adorei a idéia de ao invés de festa fazermos uma viagem, mas tenho uma bebê de 1 ano e meio que na ocasião da viagem vai estar com 1 ano e 8 meses, e não estou querendo leva-la pois mudaria totalmente o ritmo da viagem. Entretanto ela super agarrada ao irmão estou com medo de ela sofrer muito! Vc já fez algo parecido??? Conhece alguém que fez???
Obrigada
Bjos
Renata

Fernanda disse...

Obrigada pelas dicas...na próxima semana eu e meu marido faremos nossa primeira viagem a "2" desde que nossa princesa nasceu há 2anos e meio! Viajamos muito, muito mesmo, mas sempre levávamos ela e a babá para podermos usufruir mais das viagens...o fato é que chegou a hora de tentar fazer esse "desligamento", sera uma viagem de 5 dias mas já estou perdendo o sono, pensando em como fazer para ela não sentir muito nossa falta e ficar bem..obrigada esse post me ajudou muito!