terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Vitória

Algumas leitoras me pediram pra comentar sobre o andamento da amamentação com a Rafaela, que estava cheia de dificuldades, então aqui vai.

Meu processo de amamentação com a Luísa, a primeira filha, foi muito tranquilo. À exceção da primeira semana, que foi bastante sofrida, tudo depois fluiu muito bem. A produção de leite foi sempre suficiente, ela nunca reclamou de fome e não teve que tomar complementos. Foi até os seis meses exclusivamente no peito. Eu amamentava em qualquer lugar e ela sequer reclamava. Aos 9 meses, meu leite secou e desmamei de vez. Poderia ter durado um pouco mais, mas acho que 9 meses de aleitamento materno é um período bem positivo.
Com a Rafaela a coisa tem sido bem diferente. Engraçado que a gente sabe que um filho é diferente do outro, mas quando a experiência é positiva em alguma questão a gente sempre acha que será igual na próxima vez. O pediatra das meninas já havia me alertado: muitas mães de segundo filho têm produção reduzida de leite porque a correria é maior e a gente descansa bem menos. Ainda assim, eu achava que seria vaca leiteira para sempre e que Rafala mamaria numa boa como a irmã.
Desta vez, no entanto, passei por vários percalços como já contei aqui. Quando a Rafaela estava com pouco menos de dois meses, ela se rebelou contra o meu peito direito. Não queria pegar de jeito algum, foi um baita desgaste emocional. Tentei mudar de posição várias vezes e adiantava só por um ou dois dias. Ainda assim, eu tentava iniciar todas as mamadas por aquele lado. O problema é que com essas recusas a Rafaela passou a ganhar menos peso do que deveria na época, e a curva de peso dela, que já era no patamar mínimo, começou a cair. O pediatra começou a cogitar a possibilidade de darmos complemento caso a curva continuasse caindo e já me alertava que dificilmente eu conseguiria amamentar exclusivamente até os seis meses como aconteceu com a Luísa. Aquilo me doía.
Tive que levá-la quase toda semana pra pesar nessa época. E era aquela tensão pra saber quantas gramas por dia ela estava engordando. Chegou a 14g/dia, sendo que o mínimo recomendado é 20g/dia. Aquilo me deixava bem nervosa, coisa que eu não costumo ser. Eu chorava, me sentia incompetente. E o que não ajuda em nada na produção do leite.
Eu já não conseguia mais ver saída até uma providência: comprei um bico de silicone. E aquilo realmente foi uma salvação para a questão do seio direito. Ela passou a mamar bem ali - e, espertinha, começou a pedir o bico para mamar do outro lado também. Ficou assim mais de um mês, até que um dia que eu esqueci o bico em casa e tive que dar o peito sem ele. Ela mamou bem e então resolvi abolir.
Só que a produção de leite também estava caindo em alguns horários do dia (especialmente no final da tarde) e ela começou a reclamar, gritar durante as mamadas. Nossa, que estresse aquilo. E olha que eu já bebia litros de água por dia pra aumentar a produção e não estava ajudando muito.
Até que o pediatra sugeriu que eu experimentasse tomar um medicamento ansiolítico que tem como efeito colateral o aumento da produção do leite sem dar qualquer problema para o bebê. Eu resisti bastante a tomar esse remédio, mas eu queria evitar ao máximo ter que dar o complemento e achei que valeria testar desde que não me trouxesse outro tipo de efeito colateral. E o bicho funcionou mesmo, porque a produção aumentou bastante e a Rafaela voltou a engordar (mantendo a curva no mínimo, que é o padrão estrutural de peso dela).

Livre demanda
Com a Luísa, eu consegui estabelecer uma rotina boa de mamadas. Como era tudo bem tranquilo, ela mamava em média de três em três horas (com variação de meia hora para cima ou para baixo) e funcionava super bem. Já com a Rafa, por ela estar engordando pouco, tive que reduzir esses intervalos. Apesar de ela não reclamar de fome e ser bem preguiçosa pra mamar, eu passei a reduzir os espaços. Passei a amamentá-la mais vezes, mesmo que ela não pedisse, e a evitar que ela ficasse mais de três horas sem mamar. Só à noite que eu deixava um pouco mais, mas também não podia deixá-la dormir a noite toda (o que era um martírio, já que se deixasse ela dormia mesmo a noite inteira).
Outra coisa que eu fiz e adiantou bem foi tirar sempre um pouco de leite do peito e deixar armazenado. Quando eu sentia que ela mamava pouco e ainda estava com fome, eu complementava com uma mamadeira com meu próprio leite (e mamava tudo, a bichinha). Durante uma fase, fazia isso uma vez por dia. Depois parei porque ela estava mamando melhor.

Hoje tivemos nova consulta no pediatra e me senti vitoriosa. Orgulhosa de mim, sabe? Estamos já planejando a introdução das frutas e papinhas e eu estou feliz por ver que consegui manter a amamentação exclusiva já por quase seis meses. Sinto, com toda honestidade, que isso só aconteceu por minha insistência e, muitas vezes, com grande desgaste. Mas é um "sacrifício" pelo qual eu passaria novamente mil vezes.

Como eu disse aqui nos comentários posteriormente, eu não sou exemplo para as mães mais rigorosas em relação à amamentação, já que tomei remédio para estimular o leite e isso também não é o ideal. Mas foi a saída que encontrei para não entrar com o leite artificial. Não fosse isso, eu não teria conseguido amamentar exclusivamente até os seis meses e permanecer até os oito meses, quando a própria Rafaela começou a recusar o peito. Esse tempo de encerramento do ciclo para mim também foi o suficiente, a partir dali eu não fiz mais questão de tentar a todo custo que ela continuasse mamando no peito.  Acho que cada uma sabe dos seus limites.

Se eu pudesse dar um conselho às mães que estão grávidas ou com recém-nascidos? Informe-se, procure manter a calma e fuja dos palpiteiros. O estresse atrapalha, inclusive, na produção do leite. E, se tiver com dificuldades, procure ajuda, há muitos grupos especializados em amamentação que podem te ajudar.
O importante é a gente não desistir nas primeiras dificuldades. Porque amamentar não é romance de TV - é um processo importante e prazeroso mas, ao mesmo tempo, muito duro, especialmente no início.

Minha história de amamentação com a Luísa, a mais velha, foi contada aqui. Vale a pena ler também.

27 comentários:

Mãe de Duas disse...

Legal seu relato Roberta!
É isso mesmo que você disse, se no primeiro a gente acertou, no segundo temos certeza que vai dar tudo certo tb. Mas muitas vezes sai diferente. As vezes melhor, as vezes pior. A maioria das vezes mais corrido, com certeza!

Beijos

Priscilla

Andrea Nunes disse...

Ai, chorei. Parabéns pela força, pela insistância e principalmente pela vitória.

Eu, infelizmente não consegui, ela mamou menos de 3 meses...

beijoca

Sabrina, mamãe da Maria Cecília disse...

Parabéns Roberta!
Me identifiquei com você, pois desde o primeiro momento eu fiz questão de amamentar a Maria Cecília exclusivamente com LM.
Sofri com as dores, com duas mastites, com fissuras, com a hiperlactação dos primeiros dois meses e com a depressão pós-parto, mas graças a Deus valeu a pena: a Maria Cecília sempre engordou bem, cresceu idem e está super saudável.
Vou manter o LM até a hora que confirmar uma cirurgia que preciso fazer, aí não tem jeito, vou ter de desmamá-la, por conta dos medicamentos fortes que vou tomar.Mas será somente após ela completar 06 meses (no mínimo), e se eu puder, vou adiar a cirurgia ao máximo.
bjs

Tathyana disse...

Parabéns pela perseverância Rô. No meu caso foi o oposto: amamentei Alice por 40 dias e tive uma mastite braba o que me fez interromper a amamentação. Com Rafael seguimos nas peitolas e agora nas panelas rssss. Bjssssss nas três.

Paloma, a mãe disse...

Que bom, Rô! Acho que este "sacrifício" é o mínimo que nós, como mães, podemos fazer, né? E seis meses passam tão rápido. Hoje valorizo demais esta etapa, que é tão efêmera e tão, mas tão importante nas vidas dos pequenos (e nas nossas também!).
Beijos

Ana Paula disse...

Parabéns Roberta! Dificuldades, angustias, sacrifícios... tudo vale a pena pelo aleitamento materno, por todos os benefícios que ele traz. Parabéns a todas as mães que conseguiram e a todas que tentaram e talvez não tenham tido êxito, o amor de mãe compensa tudo!!!

Dani disse...

Ro, como eu fico contente em saber que deu tudo certo! Eu também estava curiosa.
Completei seis meses de amamentação exclusiva da Helena no domingo. Iniciamos há dois dias as frutinhas... não tem sido muito sucesso não, mas com paciência a gente chega lá!
Beijos!!!!

Anna disse...

oi Rô, que ótimo que conseguiram superar as dificuldades!

E a sua vontade de amamentar é que fez toda a diferença. Parabéns!

beijos

lolo disse...

Que bom, Roberta, parabéns!! Com a Lara tudo sempre foi bem tranquilo, até que no quarto mês ela não engordou nada. Como ela nasceu com baixo peso, a médica já cogitou dar complemento, mas eu nao quis de jeito nenhum! Então ela me orientou a tirar o meu próprio leite, como vc fez. Tirava pela manhã, quando tinha mais leite, e dava duas mamadeiras à tarde. Funcionou, Lara engordou e fui atá mais de cinco meses - tive que introduzir frutinhas antes dos seis pq voltei a trabalhar. Mas fiquei muito orgulhosa de mim mesma tb, nao fosse a minha insistência minha filha teria tomado leite artificial desnecessariamente.

(Mamãe) ~Pinel disse...

Engraçado como eu me identifiquei muito com o seu caso em relação à Rafinha!
Amanhã tem médico da Lara e eu quero pedir a receita desse remédio porque a minha produção caiu do nada e eu quero MUITO amamentar a Lara até ela ficar grandinha... me dói também pensar que ela vai largar assim, antes dos 6 meses!
=/
Já não é amamentação exclusiva. Ela come banana e mamão, e bebe mamadeira, mas quero voltar com o peito mais que o resto!

Veremos se vai dar né?
Beijo!

Ana Carolina disse...

Adorei esse post, é bom saber desde já (ainda não tenho filhos) que esse tipo de coisa pode acontecer, mas que isso não é o fim do mundo. Com muita insistência e amor da mamãe tudo acaba bem.

Carol Garcia disse...

adorei o post, ro.
mas eu acho que não sou um ser tão evoluido.
amamentei sim, passei dias no banco de leite até descobrir pq isaac não pegava direito, ordenhei, massageei, me contorci toda.
o resultado foi positivérrimo, sem traumas.
vá lá que com segundinho eu me saia tão bem.
quiçá fossemos máquinas com encaixes feitos sob encomenda, não????
kkk
bjocas nas bonecas

Lia disse...

Nada melhor que o leitinho da mamãe, né? sucesso na introdução de alimentos!

Roberta Lippi disse...

Que isso, Carol? Não tem nenhum ser evoluído aqui não. Eu penei também, falhei também. Não sou um exemplo para as mães mais rigorosas em relação à amamentação, por exemplo, já que tomei remédio pra estimular o leite.
Cada um faz o que pode e dá o seu melhor, né, querida. Muitas mães não conseguiram manter esse aleitamento exclusivo por seis meses e também tenho certeza que tentaram ao máximo.
O importante, na minha opinião, é isso: a gente não desistir nas primeiras dificuldades. Porque amamentar não é romance de TV, é um processo duro mesmo - e ao mesmo tempo tão prazeiroso e importante para o bebê.
beijos a todas

Fabi Saba disse...

Roberta, nossa, realmente muita coincidencia! Eu ia colocar o post outro dia mas estava vendo se meu marido achava ok as fotos ...rsrsrs..
Que bom que esta dando certo. Esse bico de silicone funciona mesmo quando a producao ja esta reduzida? A Rebecca eh bem gordinha porque eu dou formula tambem, mas nao queria ficar sem dar o peito e nem sei mais o que tentar. Mas se nao der nao deu, sabe. Eu tentei! Na verdade eu queria dar ate os 5 meses pelo menos pq eh ate aonde a Victoria mamou e nao queria que ela achasse que eu tentei mais a Vi do que ela. Sei que parece bobagem, mas...
Eu adoro seu blog! E achei muito engracado essa coincidencia (:
bjs
fabisabany.blogspot.com

Ludmila disse...

Roberta, parabens!! Consigo sentir a sua forca de vontade atraves de suas palavras... parabens!!

fica uma dica que funciona comigo qdo preciso aumentar a producao de leite: fazer compressas de agua quente no peito por uns 40 min apos mamada. Na proxima mamada, o peito esta super cheio. Eu uso esta tecnica qdo preciso tirar leite qdo vou sair.

bjs e mais uma vez parabens!!

Coisas de mãe disse...

PArabens por ter conseguido, por ter superado, por ter pasado por isto.

A gente se sente muito frustrada e imagino que UM MILHÃO E MEIO DE PESSOAS devem ter te dado conselhos e dicas.

O relato é otimo. Tomara que inspire muitas mães a terem calma e segurança quando seus filhtinhos ainda não estiverem dentro do peso.

beijos

PAti

Ilana disse...

Que legal seu relato, Roberta!
Muito bom ter insistido e conseguido.
E voce tem razão, é difícil pacas amamentar, mas não tem preço.
Beijos,
Ilana

Dani Meggiolaro disse...

Roberta,
É incrível como sua história é absolutamente igual à minha!!
Nessas horas é que me dou conta que nós nunca devemos comparar um filho com o outro...
Fico feliz em saber que tudo deu certo, graças à sua insistência. Apenas para te atualizar do meu caso: tomei Equilid por 10 dias e o leite realmente aumentou, especialmente na mama direita que estava praticamente seca (além do remédio, eu dava este seio 2 vezes a cada 3 mamadas para estimular a produção). Hoje em dia minha filha mama nos dois peitos (claro que o preferido é o esquerdo) e ela está visivelmente ganhando peso. Tanto que interrompi o uso do remédio. Tenho consulta daqui 15 dias e estou super ansiosa prá conferir o resultado. Tenho certeza de que vou conseguir chegar no 6º mês só com leite materno. Graças também a minha persistência, ao querido pediatra dela e à Nossa Senhora, mãe de todas as mães (juro que não sou muito religiosa, mas todas as vezes em que minha filha dava chilique prá mamar eu rezava uma Ave Maria e a bichinha não só acalmava como mamava melhor).
Beijos e obrigada pelas respostas.
Daniella.

Dani Meggiolaro disse...

Roberta,
É incrível como sua história é absolutamente igual à minha!!
Nessas horas é que me dou conta que nós nunca devemos comparar um filho com o outro...
Fico feliz em saber que tudo deu certo, graças à sua insistência. Apenas para te atualizar do meu caso: tomei Equilid por 10 dias e o leite realmente aumentou, especialmente na mama direita que estava praticamente seca (além do remédio, eu dava este seio 2 vezes a cada 3 mamadas para estimular a produção). Hoje em dia minha filha mama nos dois peitos (claro que o preferido é o esquerdo) e ela está visivelmente ganhando peso. Tanto que interrompi o uso do remédio. Tenho consulta daqui 15 dias e estou super ansiosa prá conferir o resultado. Tenho certeza de que vou conseguir chegar no 6º mês só com leite materno. Graças também a minha persistência, ao querido pediatra dela e à Nossa Senhora, mãe de todas as mães (juro que não sou muito religiosa, mas todas as vezes em que minha filha dava chilique prá mamar eu rezava uma Ave Maria e a bichinha não só acalmava como mamava melhor).
Beijos e obrigada pelas respostas.
Daniella.

Bianca disse...

Juro pra você que com todo sacrifício bateu uma "inveja boa"... A Ju, por ter ficado 54 dias na UTI NEO e eu entrado em depressão pós parto não pode mamar.... Então não sei a sensação de ter um bebê mamando no meu seio..........
:(

Beijos

Ayla disse...

Olá, somos alunos de pós-graduação e o tema de nosso trabalho de conclusão de curso é: mães que viajam com seus filhos. Fizemos uma pesquisa por blogs sobre o assunto e encontramos seu contato. Gostaríamos que você nos ajudasse respondendo algumas perguntas sobre esse tema, lembrando que esse questionário tem fins acadêmicos.
Para participar, basta acessar o link:
https://spreadsheets.google.com/viewform?formkey=dF9Yc2xjbk5UOHJWTUFCUWNEVEoxZ1E6MQ
Agradecemos sua participação.

Brunna disse...

Oi, tudo bom?
Preciso da sua ajuda!
Quando puder, passa no blog da Brunna pra deixar seu voto sobre o tema da festa de 2 anos dela. =] http://umaprincesaeduasmaes.blogspot.com

Beijinhos, Kaká.

Dani disse...

Rô esse post deveria ser entitulado "de utilidade pública" e ser usado em tudo quanto é propaganda sobre amamentação!
Que verdadeiro e emocionante!
Parabéns, super parabéns pela vitória!
Vocês merecem esse sucesso!
Beijo, querida!
Dani

Scrap by Grice disse...

Adorei seu post. Parabéns pela sua insistência, e que bom que no final deu tudo certo.
Eu precisava ter lido isso anos atrás. rs. Tenho duas meninas (5 anos e 1 ano e meio) e com as duas tive problemas de amamentação, se eu for relatar dá um post maior que o seu. ahahaha. Sofri muito.
Mas seu ralato nos mostra que os problemas podem existir e na maioria das vezes não estamos bem preparadas para lidar com isso.
Parabéns pelo seu post.
abs

Fanny disse...

Parabens pela vitoria, gostei muito do post. Eu tambem estou amamentando minha filha, de 4 meses, com leite materno exclusivamente. Ela ja esta com 7 kg e mama cada 3 horas. Como precisei voltar para o trabalho, estou ordenhando o leite e mantenho estocado no freezer, mas nas ultimas semanas eu notei que meu leite diminuiu, tomei Cha de funcho (mother's milk tea) e ajudou aumentar o volume, mas o que realmente funcionou para mim e a cerveja preta (sem alcohol),meu volume de leite dobrou.

Camila Perlingeiro disse...

Oi Roberta, adorei o seu relato. Eu amamentei a (minha) Victoria até 1 ano e pouquinho, mas nunca foi totalmente exclusivo, confesso. Pelo menos umas 60% das vezes tinha uma mamadeira envolvida. Mas tudo bem, ela sempre foi gulosa, minha produção nunca foi super abundante e eu nunca parei de trabalhar, o que contribuiu pra eu desencanar. Mas ela é feliz, saudável, come de tudo e aos 2 e meio eu estou na luta por outro motivo: tirar a obsessão profunda que ela tem por peito (juro!) :D.

Mas eu acredito que cada filho é um filho. E por mais que a gente ache que, no alto da nossa experiência, vamos fazer a coisa fluir com mais facilidade, nem sempre os pequenos querem rezar por essa cartilha, né?

Beijo Camila | Mundo Ovo