segunda-feira, 22 de março de 2010

Eu escôlo, mamãe

Ultimamente anda uma briga aqui em casa cada vez que vamos sair. Eu escolho uma roupa bonitinha pra Luísa vestir e, lógico, ela faz escândalo porque quer outra coisa. Geralmente uma roupa velha ou inadequada para a estação ou totalmente descombinante.
Estava dando uma olhada aqui no livro "O que esperar dos primeiros anos" e as autoras abordam o tema (aliás, esse livro é muito bom, trata de muitos assuntos sobre os quais temos dúvidas e falamos constantemente). Vou reproduzir aqui as dicas:

Uma criança pequena, ansiosa por adquirir algum poder de decisão, certamente irá opor resistência ao que quer que seja escolhido sem a aprovação expressa dela, mesmo quando se trate do sanduíche ou do suéter que ela mais gosta. Por essa razão, vestir a criança, tal como alimentá-la, passa a ser um grande desafio para os pais. Da próxima vez que você enfrentar esse desafio em relação às birras na hora de colocar roupa:
- Dê-lhe algumas opções...
Certamente não é prático, e nem sensato, permitir ao seu filho (a) um controle absoluto sobre as vestimentas do dia-a-dia (ela é capaz de vestir maiô e sandálias num dia gelado de inverno), mas um pouquinho de autonomia poderá ser de grande ajuda para evitar disputas cansativas. Dê-lhe a liberdade de escolher entre dois ou três trajes diferentes. Caso ela insista em algo muito pessoal (como o maiô no inverno), proponha uma solução conciliatória, como deixá-la vestir o maiô debaixo do agasalho. Para reduzir o risco de escolhas inadequadas, procure deixar fora do alcance as roupas impróprias para a estação.
- ... mas não muitas
Quando apresenta a uma criança pequena um armário cheio de opções, você praticamente programa uma crise de birra. O excesso de opções, se deixa qualquer pessoa confusa, é muito pior para uma criança novinha e inexperiente.
- Elogie a escolha dela
Elogie as escolhas adequadas, mas não critique as seleções mal combinadas ou infelizes de acordo com o seu ponto de vista. Faça sugestões se ela for aberta a isso ("a blusa listradinha de azul vai ficar ótima com o short azul"). Caso suas sugestões não sejam bem recebidas, não se preocupe. Há tempo de sobra para ela desenvolver um gosto refinado e criar um estilo próprio.

(PS. Enquanto ela não desenvolver esse gosto refinado, você vai passando uma vergonhinha básica. Ou então relaxa e se diverte com a situação.)

10 comentários:

GRAZI disse...

Ro valeu a dica alias sabe quanto custa esse livro ?
Na minha gravidez li de cabo a rabo o livro O que esperar quando estiver esperando e me foi muito util agora quero este
bjus

Roberta disse...

Grazi, na livraria Saraiva está saindo por R$ 76,40. Aqui está o link http://www.livrariasaraiva.com.br/produto/411526/o-que-esperar-dos-primeiros-anos/?ID=C95110CD7DA03160E042D0247&PAC_ID=25683
Mas vale lembrar que existe também um livro específico para o primeiro ano de vida, que se chama "O que esperar no primeiro ano". Depois vem esse outro dos primeiros anos, na sequência.
bjs

Lia disse...

É muito legal essa dica de fazer uma pequena seleção e deixar a criança escolher entre duas ou três opções. Já tinha visto isso na Super Nanny.
Em último caso, se ela quiser sair baranga mesmo, você diz que foi a babá que vestiu e não deu tempo de trocar!

Flavia Bernardo disse...

Tão pequeninos e já cheios de vontade, né?

Adorei as dicas do livro. Vou ver se compro esse do primeiro ano. Não li o da gestação, mas todo mundo só fala bem dele.

Beijocas!

Renata disse...

hahahah, gostei da sugestão da Lia. Fala que não foi você e pronto! rs!
Esses pequenos vão crescendo e ficando cheio de vontades...eu ainda não cheguei na fase das escolhas, por enquanto estou na fase do "sozinho". Não posso ajudá-lo em nada, que tudo ele quer fazer sozinho, acho fofo ver essa independência, mas às vezes gente quer agilizar e ele passa duas horas tentando colocar a meia sozinho e faz birras gigantescas quando eu tento ajudar...rsrsrsrs!
beijos, querida

Paloma disse...

Numa época, a Isa queria usar vestido com calça. Eu não me importava muito, mas as próprias crianças na escola começaram a dizer que não podia, que estava feio, etc. Então, eu acho que temos de relaxar e deixar. Em algum momento, elas vão mudar. Ou não...heheeheh...bjo
Paloma e Isa

Claudia disse...

Hahahaha, tudo igual mesmo, só muda o endereço! Aqui em casa são vários micos por conta das escolhas estranhas da Júlia. Outro dia saiu parecendo uma paquita: vestidinho e botas peludinhas! E olha que ela nunca viu a Xuxa...
Agora eu já aprendi: dar 2 opções pra ela. Fica melhor mesmo!
bjos

Dedinhos Lambuzados ! disse...

Só uma lembrança: o que pode ser negociado - tudo bem. O que não pode ...não pode ! Os entendidos preconizam: "Por volta dos 3 anos ( e a pequena está bem aí surge a 1ª "crise" a crianças se descobre como um eu independente da mãe "( traduzindo em português materno: as birras e teimosias começam...mas não sabemos qdo terminarão....).
Sugestão de uma quase avó...se o problema é só a "combinação excêntrica"...curta e divirta-se junto ! Essa coisa de bater de frente por coisinha pequena é um desgaste desnecessário!!! Já, já ela ficará bem exigente, querendo roupinhas de marca, caríssimas e aí temos a certeza de que éramos felizes e não sabíamos !!! Bjs carinhosos, Mammy

Ann disse...

Oi, primeira vez no teu blog. Como so tenho um menino, acho estas estorias das birras das meninas o maximo, quer dizer, e outro mundo mesmo. Porem, minha pequenina chega ainda esta semana e ai, quero ver eu passando por situacoes semelhantes, vai ser hilario!x

Letícia Volponi disse...

Nossa, tenho vivido a mesma coisa. Outro dia ela queria sair de casa, no maior frio, de chinelo havaina e meia para ir ao shopping. Depois de por abaixo a sapateira dela, finalmente achei uma sapatilha rosa, com florzinhas rosas e consegui convence-la a mudar de sapato.