terça-feira, 2 de março de 2010

Atirei o pau no gato, sim

Esse mundo politicamente correto me irrita um pouco, sabe? A gente não pode mais fazer nada sem pensar mil vezes antes. Lógico que muitas coisas realmente melhoraram, tipo:
- quando eu era criança, as pessoas jogavam lixo na rua
- antigamente, todo mundo comprava animais e pássaros no paralelo e ninguém via problemas em ter um papagaio clandestino em casa.
etc etc
Mas tem uma coisa que eu não consigo engolir: o que fizeram com o "Atirei o pau no gato". Mudaram uma música da sabedoria popular para transformá-la em algo politicamente correto. Juro, acho isso completamente irritante.
Podem me crucificar, mas eu não consigo cantar pra minha filha:
"Não atire o pau no gato to, porque ele é meu amigo go... não devemos maltratar os animais". Putz, que porre.
Primeiro, ouvi essa música a minha infância inteira e nunca maltratei um animal. Outra coisa, não é uma música infantil que vai transformar pessoas em seres violentos, é a educação. Vou ensinar minha filha a tratar bem as pessoas e os animais, mas, caramba, posso cantar "Atirei o pau no gato" pra ela???

27 comentários:

Marcia Lima Gomes disse...

Kkkk!!! Roberta, concordo que essa onde extremista do politicamente correto é chaaaato... Mas, vc sabe que vc me deu uma idéia para um post no meu blog? Aki nos EUA as músiquinhas infantis me parecem mais inocentes ou menos maldosas, como queira. Eu ainda não tive coragem de cantar o boi da cara preta para o Gabriel... kkkkk! Beijinhos.

Patricia disse...

Adorei Roberta! Também não engulo muita coisa politicamente correta. Acho chato e nem sempre benéfico. Nunca atirei o pau no gato por conta da música. E duvido que quem atirou o tenha feito por causa dela.
Menos, né?

beijossssss

"ZZ" disse...

Mudaram?? Eu canto da forma que aprendi.
Não vou cantar essa música nova não!!
ZZ

Lia disse...

Ridículo mesmo. E hipócrita. A Emília escreveu algo sobre isso nas memórias dela...

Paloma, a mãe disse...

Ai, nem me fale, me recuso a aprender estas versões (e a cantar, obviamente). é o fim achar que isso vai influenciar a personalidade e a educação de uma criança. Que chatice!

Val disse...

hahahaha. Quantas pessoas pensam assim, né? Mas confesso que o meu pequeno, ao ver um gato, disse para o pai: "ei pai, vamos atirar um pau nele". Sabe o que eu acho? É que as crianças de hoje são mais desenvolvidas que as de antigamente. Entendem tudo ao pé da letra mesmo. hehehehe. Bjos.

Val disse...

hahahaha. Quantas pessoas pensam assim, né? Mas confesso que o meu pequeno, ao ver um gato, disse para o pai: "ei pai, vamos atirar um pau nele". Sabe o que eu acho? É que as crianças de hoje são mais desenvolvidas que as de antigamente. Entendem tudo ao pé da letra mesmo. hehehehe. Bjos.

Letícia Volponi disse...

Olha, eu concordo com você e acho que tudo é uma questão de educação. Acredito que quando o Rei disse para a Val que ia atirar um pau no gato ela não deixou. É isso que faz a diferença...

Dani disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkk
concordo totalmente!

beijo e boa semana!

dani
http://peripeciasdemaeefilho.blogspot.com/

Bia Mello disse...

Gente, dei muita risada com este post e concordo que ha muito exagero, este coisa extremista de mudar a letra de musica infantil popular nao ta com nada...rs

No fundo as pessoas acham mais facil ficar com cara de pateta cantando uma musiquinha politicamente correta ao inves de empenhar-se no dificil e trabalhoso ato de educar os filhos. Tem coisa muito mais seria pra ser analisada, nao acham? :0)

Bjs,

Dany disse...

Menina, isso me irrita tb!
Assisti Tom e Jerry e Pica-pau a vida toda e não virei uma serial killer...rs
Cantei "Atirei o pau no gato" e nunca atirei o pau no gato efetivamente, embora odeie gatos (posso falar isso, né? rs).

Olly disse...

Ro,

eu sou contra tbm toda essa ladainha politicamente correta. Lá em casa, a minha emopregada de infância que sempre fez o bolo nega maluca brinca dizendo que agora ele se c hama bolo afrodescendente com necessidades especias... hahahahaha, juro. É´o cúmulo do ridículo....

Se cuida e encha a Luisa de beijos pro mim!

Olly

Cath disse...

O dia que vi a reportagem com as criancinhas cantando na escola essa nova versão fiquei revoltada!
Que bobeira!!!
Nunca vou cantar essa nova versão para o Matheus!!!
Beijos

Cynthia Santos disse...

Complicado isso, né?
Eu concordo com a Val, as crianças de hoje são milhões de anos-luz mais avançadas do que nós quando tínhamos a mesma idade que elas... eles têm um feeling afiadíssimo e aprendem muito rápido as coisas, o que me deixa um pouco insegura sobre o efeito de uma música como essa sobre as nossas crianças. Claaaro que como pais, cabe a nós ensinar que o que se ouve na música não deve ser tomado como verdade... quando eu era criança e ouvia essa música, me perguntava por que existia uma música assim, se não se devia machucar os animaizinhos... e assim como a Márcia, também não tenho coragem de cantar boi da cara preta nem nana-neném pro Arthur, só cantarolo, exatamente porque quando criança, sentia um "quê" de imposição de medo e abandono nessas canções (lembra do homem do saco? Totalmente desnecessário, surtia o efeito que as nossas mães queriam, mas me deixava aterrorizada a ponto de não querer aparecer no quintal ...).
Enfim, cada cabeça uma sentença, tenho certeza de que no final das contas, todas as nossas crias serão adultos melhores, por termos tais preocupações.
Beijo grande!

Tathyana disse...

É chato, é ridículo, é hipócrita. Porém as histórias e os contos foram alteradas ao longo dos anos e séculos. Até porque tinha-se uma visão diferente de infância. As crianças tinham outra participação social, eram vistas como mini-adultos. Sinal dos tempos, mas não deixa de ser chato pra gente, que tinha contato com a realidade de uma outra forma. Bjsss

Roberta disse...

Tô gostando da polêmica.
E tenho que falar que, apesar de gostar de Atirei o pau no gato, também fico com um pouco de receio de cantar boi da cara preta porque acho meio assustador. Mas aí eu simplesmente não canto. O que me irrita é esse lance de mudar a música toda....
beijos

Paloma disse...

não só pode, como deve, Rô. Ao suprimir das histórias e cantigas o lado mau, os politicamente corretos acabam criando um mundo de fantasia. E essa dialética entre o certo e o errado é fundamental para uma criança entender o mundo. Tem gente que anda adaptando até a Chapeuzinho Vermelho, fazendo com que o lobo não coma a vovózinha, porque isso seria muito violento. Um grande erro! bjo
Paloma e Isa

Renata disse...

Adorei o post. Também acho o fim mudar a letra da música. Se não gosta ou não concorda, é só não cantar! Tão mais simples!
beijos

Adriana Stock disse...

Credo, que polêmica, hein?! Olha, eu não gosto de cantar Atirei o Pau no Gato pra Paola e pro Diego. Na verdade, nunca gostei dessa música. Prefiro não cantá-la. Cheguei a mudar a letra pra “atirei àgua no gato”, mas deixei pra lá. Meu marido continua cantando a versão original. Não faço censura. Mas acho que isso não é questão de ser hipócrita. Eu não saio chutando gatos, não! (rsrsrs) Se eu acho que um desenho, um livro ou uma música não transmitem uma mensagem positiva para os meus filhos, vou substituir por algo melhor. Serve para Atirei o Pau no Gato ou para a Dança do Créu.

Dani disse...

Certa vez estava eu cantando esta musiquinha para uma criança na pracinha e quando a mãe viu me deu o maior fumo, acredita?! Eu, heim!
Aqui em casa vamos do tradicional mesmo! Beijo! Dani

Priscila disse...

Oi, Roberta.
Sabe que eu só fui prestar atenção na letra da música quando ouvi a outra versao num dvd da xuxa? A gente ouvia e repetia, sem pensar... Mas parando pra analisar, é muito estranha, né? A do boi também. E ainda tem a "nana neném, que a cuca vem pegar". Quem inventou essas coisas pelamordedeus?!?!?!?
Bjs.

Li disse...

Oi Roberta
Eu tbm não gosto dessas coisas politicamente corretas... Eu conheço a dona de uma empresa de recreação infantil que nas festinhas ela e o pessoal dela não incentiva nenhuma brincadeira que envolve disputa. Pelamordedeus, porque? Pra criança não ficar competitiva demais? Fala sério!
Espero você no meu blog!!!
Bjos

Glau disse...

Rô, eu cantava as duas versões pro Arthur e explicava o motivo de terem inventado a segunda versão, mas ele só gostava da nova, hahaha, ele ficava indignado de "atirarem o pau no gato".
Eu cantava do boi da cara preta tb e ele amava, achava lindo!!hahaha
Acho bom mostrar tudo o q existe e explicar, eles são muito inteligentes, questionam muito mais do q a gente questionava.
bjosss

Chris Ferreira disse...

Oi Roberta,
eu também canto as duas versões para as minhas filhas. A mais velha prefere a ver~soa do não atire o pau no gato já a mais nova prefere a tradiciona. As duas amam animais e nunca quiseram atirau pau em nenhum deles.
Já vi vários textos criticando as musicas infantis como Boi da Cara Preta, O Cravo Brigou com a Rsa, etc... Entendo que elas fazem parte da nossa cultura e canto sim.
Acho purismo e até super proteção não cantar as músicas.
beijos
Chris
http://inventandocomamamae.blogspot.com/

Duda Fênix disse...

Sabedoria popular? Isto tá mai pra estupidez popular!

A vingaça do gato.

Dona Chica-ca tinha acabado-do de chegar da igreja-já.
Devota-ta de Jesus-sus, ela tinha ido-do para lá rezar-zar.
Dona Chica-cá se achava-vá santa-tá,
Mesmo sendo-do megera-rá.
Noite de calor-or, janela aberta-tá
Dona Chica-cá se deitou e dormiu-miu.
Do telhado-dó, foi que ele surgiu-giu
Era o gato-tó, que não morreu-rreu
E queria-a sua vingança-çá
Com as unhas-nhas afiadas-das
Ele se avançou-çou no pescoço-çó
Foi o último berrô-rrô
Que a Chica deu!!!!!!!
AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHH

PAU NA DONA CHICA E EM QUEM MAIS METER O PAU NO GATO!


Mônica.

Ivisson Moraes disse...

Você se engana quando diz que uma música não pode influenciar. Quando somos crianças, tendemos a reproduzir muitos atos dos adultos, gestos e fala da TV, dos desenhos etc. Portanto uma criança que passa a vida inteira ouvindo esta música, por mais educação que ela tenha tido, ela poderá tentar acertar algo no gato para ver a reação do bichano. Entendo o seu lado, mas se a vida toda você tivesse ouvido "não atire o pau no gato", hoje você talvez estivesse irritada ao ouvir uma versão "atire o pau no gato". Pra você é normal porque você aprendeu isso desde criança. Portanto, por que não ensinar aos nossos filhos desde pequenos a versão "não atire..."??? Dessa forma, esta versão também será a mais comum para eles quando crescerem... Não nos deixemos nos influenciar mais pelas cantigas preconceituosas do BOI DA CARA PRETA nem as que induzem a violência. Porque se não, desta forma, você também achará comum uma música de pagode que diz "sai da minha frente que eu vou dar porrada" ou "vou dar tapa na cara" ou até mesmo "sua cachorra... sua cachorra". Então você não vai ligar que sua filha dance este tipo de música e ainda por cima vai achar que estas músicas não influenciam os jovens a brigar nas festas de carnaval, etc? Desculpa se falei demais. Respeito seu ponto de vista, mas deixei o meu aqui para que possamos ver o outro lado. Parabéns pelo blog. Visite o meu também. www.devistasonen.blogspot.com

Anônimo disse...

alguém ahi se lembra que o gato nao morreu?