segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Aviso: post escatológico

A última edição da revista Pais & Filhos traz uma reportagem sobre coisas que toda mãe deveria saber em relação à educação e cuidados com os seus filhos. E um dos itens é:
Calcinha e cueca sujas de cocô têm de ir pro lixo. Sem choro nem vela.
Pois bem, devia ter lido essa reportagem antes.
Dia desses ocorreu um acidente sem precedentes no clube. Luísa estava tão entretida brincando que 1) não percebeu que fez cocô ou 2) percebeu, mas ficou quieta porque não queria sair do parquinho.
Antes de continuar, um aviso: quem não gosta desses assuntos escatológicos, pode parar por aqui porque será difícil não tentar imaginar a cena. Quem não tem filhos também não precisa passar por isso e pode mudar pro site de notícias, porque eu sei que a tolerância ao assunto cocô é bem diferente antes de termos filhos.
Sei que fui descobrir que ela tinha feito cocô na calcinha um bom tempo depois, quando a levei pra fazer xixi. Não vou descrever aqui todos os detalhes da lambança porque foi nojento mesmo - a consistência do bicho era meio molenga. Só que eu, mãe de primeira viagem com uma filha desfraldada há pouco tempo, nem pensei em jogar a calcinha no lixo, olha só que zé mané!!! Fiquei tentando limpar a dita cuja lá no banheiro do clube. Olha, foi um desastre total.
Depois, quando eu cheguei em casa, botei a calcinha de molho. Quando a babá chegou na segunda-feira, ela me perguntou por que eu não tinha jogado a calcinha fora.
Me senti uma retardada. E pior: lembrei que taquei desnecessariamente a mãozão no cocô debaixo da torneira pra tentar limpar a calcinha.
Eca total. Ou melhor. Merda total.

domingo, 29 de novembro de 2009

Quiz

- Qual é a melhor notícia depois de saber que você está grávida?

a) É saber que está tudo bem com o bebê
b) É ver seu bebê nascer saudável
c) São várias boas notícias pro resto da vida
c) É a nova loção preventiva de estrias da marca x.

Dá pra acreditar que esse é o slogan de um creme para estrias? "A melhor notícia depois de saber que você está grávida". Juro, não tô mentindo. Ok, ninguém merece ter estrias. Mas os sujeitos colocam isso num grau de importância que me assusta pela falta de noção. Apelou, né, colega?

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Delícia de amigo secreto


"Luísa,
Amiguinha, adorei participar desse amigo secreto, e tirar você foi muito legal!
Estou te mandando uma camisetinha do meu amado Rio Grande, uma terra muito especial repleta de lugares lindos e pessoas hospitaleiras.
Quando vieres por aqui, me avise e venha fazer uma visita, quero te conhecer pessoalmente.
Beijos,
Elisa"

Obrigada, Elisa querida (coisa mais linda de bebê), muito obrigada Denise (mãe da Elisa). Luísa colocou a camiseta, como dá pra ver na foto, e já se mandou pra pracinha com ela. Adoramos o carinho!! E o Rio Grande do Sul é realmente uma terra muito especial.
E Rê Lilata, obrigada por proporcionar com esse amigo secreto virtual um momento tão gostoso de chegar em casa e receber um presente de uma pessoa que a gente não conhece pessoalmente mas que participou da brincadeira com tanto carinho, enviando seu mimo lá de Porto Alegre. Beijocas a todas.

PS. Minha filha tá mais sociável que eu. Está participando de dois amigos secretos, eu de nenhum. Nem tá na escolinha ainda e só esta semana tem três convites de aniversário dos amiguinhos da pracinha grudados na geladeira. Quero só ver no ano que vem, depois que for pra escola... (aliás, vou precisar trabalhar mais só pra poder pagar o tanto de presente de aniversário de criança que eu já tenho que comprar, nunca vi. Mas qualquer dia falo sobre isso num outro post).

COMENTÁRIO POSTERIOR: E o amigo secreto que a Luísa adorou tirar foi o Caio, filho da Thaís, do Aprendiz de Mãe. De presente foi o DVD do Parangolé que, pelo que consta, foi aprovado pelo amiguinho da Lulu.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Obrigada, Simony


Momento de êxtase absoluto hoje aqui em casa quando chegou o CD da Turma do Balão Mágico que eu comprei pela internet. Ri, chorei, dancei feito louca, cantei todas as músicas (ops, será que isso é normal para uma pessoa da minha idade?). Demaaaais!!
Gente, o que é o disparo no coração quando o Fábio Jr. entra na música "Amigos do Peito" dizendo: "Eu sou o Fábio, também vou nessa cançãaaao..." Quámorrí!!!! E o Cascatinha? E o Fofão? E o ursinho pimpão?
Quem curtiu Balão Mágico na infância, no início da década de 80, não pode perder isso, pelamordedeus. Lá no site da Fnac o CD tá em promoção por R$ 9,90, corram comprar!! E agora que vi que tem o DVD também, vai ser a próxima aquisição. Pensei em comprar vários e dar de presente em todos os próximos aniversários de criança. Será que vai fazer sucesso ou eu estou exagerando um pouco na empolgação?
(Aliás, só agora descobri que o Mike era filho do ladrão inglês Ronald Biggs).
Ah! Importante: a Luísa também adorou o CD.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

É bom demais ter uma criança por perto

Tem coisas que só a pureza de uma criança é capaz de fazer.
Eu estava no escritório quase tendo outro filho por causa da empresa que disse que vai atrasar a entrega da cozinha do meu apartamento novo. Prestes a ter um ataque do coração ou quebrar tudo. Daí desliguei o telefone e a Luísa veio pro meu colo.
- Que foi, mamãe?
- Tô nervosa, filha
Daí ela, muito fofa, chegou bem pertinho do meu rosto e começou a olhar dentro do meu olho esquerdo, e tentava abrir ainda mais o meu olho com os dedos.
- Cadê, mamãe?
- Cadê o que, filha?
- Cadê a avosa?
Consegui rir. Só ela pra fazer isso comigo num momento em que eu estava explodindo de ódio.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Minha tese sobre o Barney


Esse bicho roxo é meio esquisito. Ele é meio bobão, não é? Ou só eu que acho isso? Sei que as crianças adoram, mas me dá náuseas cada vez que eu escuto aquele "Amo você, você me ama, somos uma família feliz".
No fundo, no fundo, eu acho que aquele bonecão desengonçado é gay. Prontofalei.

(PS. Uma amiga decoradora, que não tem filhos nem sobrinhos pequenos, teve uma demanda de um cliente pra fazer uma festinha de criança com o tema do Barney. Ela me aparece para o cliente cheia de sugestões do Barney dos Flintstones... hahaha... quase morreu de vergonha)

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Dinheiro não é problema

Luísa, brincando com o pai, começou a fazer aquela habitual mistureba de massinhas, juntando todas as cores num bolo só. E o pai, seguindo o exemplo da mãe, falou:
- Filha, não misture as cores, porque logo você vai querer outra massinha nova e não tem mais.
Fingiu de surda e continuou misturando.
- Luísa, se você estragar essa massinha, não vai ter mais. O papai não tem mais dinheiro pra comprar massinha nova pra você, hein.
- A mamãe tem inhero.
Hein? Quantos anos ela tem, mesmo? Dois? Ah, tá.

O sumiço das mães


Eu ia colocar esse vídeo aqui no Dia das Mães e, vejam só, já se passou um bom tempinho desde então. Como hoje eu estava sem inspiração pra escrever (blogueira picareta), resolvi colocá-lo aqui em homenagem às mamãs.

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

A leleca do papai

Meu marido tomando banho. Eu no banheiro conversando com ele e a Luísa ali bagunçando, pra variar. De repente, ela começa a falar, apontando para o box do chuveiro:
- Leleca, leleca, qué leleca
- O quê, filha?
- Leleca, qué vê leleca
- Luísa, não estou entendendo, filha
- Qué vê leleca do papai!
Uaaaaaaaaa, só aí a gente entendeu que ela queria ver a "perereca" do papai!!!
Eu tive que sair do banheiro pra não dar risada na frente dela. Doía minha barriga de tanto rir. Daí toca disfarçar. Luiz vira de costas, eu tiro Luísa do banheiro e mudo de assunto.
Porque se a gente dá trela e ela percebe que falou algo engraçado, ela vai passar o dia falando que quer ver a leleca do papai, e acho que não ia pegar muito bem por aí.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Tá doendo a mamãe

Uma das coisas boas da gravidez e que eu decidi manter após o nascimento da Luísa foi a drenagem linfática semanal. Achei que merecia fazer alguma coisa por mim, até porque os anos que passam vão embagulhando a gente, né?
Bom, isso pra contar que eu tenho uma massagista que vem em casa uma vez por semana. E ela é uma fofa. E pega pesado.
E a Luísa, lógico, adora ficar sentada na minha cama acompanhando a massagem. Ela até já repete alguns movimentos no pai, para deleite dele. Ela fica um tempão ali assistindo, batendo papo com a Ana Paula (a massagista), ajudando a passar creminho etc. Às vezes aproveita e tira um cochilinho ali do meu lado.
Mas hoje a Luísa achou que a Ana estava passando dos limites e resolveu intervir. Ela percebeu que estavam maltratando a mãe dela e foi me proteger.
Eu estava ali deitada, reclamando de alguns apertões fortes, e a Luísa começou a estranhar:
- Tá doendo, mamãe?
- Tá, filha, só um pouquinho. Mas é gostoso. (Como assim, dói mas é gostoso? Ela deve ter pensado que a mãe enlouqueceu)
Daqui a pouco eu ali, gemendo de novo.
Daí a Luísa, filha leonina defensora da mãe fraca e oprimida, encara bem a massagista e solta:
- Tá doendo a mamãe, faz vagarzinho
Não é um orgulho? Minha filha cuidando de mim. Coisa mais linda.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

O espírito do meu pai baixou na Luísa

Tenho trauma de infância do meu pai acordando a gente de manhã. Eu sou daquelas que demora uma meia hora pra acordar de verdade, sabe? Gosto de ficar quieta, fazer tudo devagar, tomar banho pra acordar. Não sou mau-humorada, mas também não sou daquelas que acorda cantando. Aliás, isso me irrita um pouco (bastante).
E eu me lembro perfeitamente de como o meu pai me irritava quando ele entrava no quarto de manhã cantando, falando alto, e abria a janela. E pior ainda, puxava a coberta da nossa cama (somos em três irmãos). De vez em quando, nos finais de semana (ou seja, não era dia de escola e portanto poderíamos dormir até tarde), pra azucrinar mais ainda, ele ainda cantava o hit da rádio Jovem Pan "vambora, vambora, olha a hora, vambora, vambora". Eu levantava louca da vida.
Agora o espírito do Leonel resolveu baixar na Luísa de manhã, para minha alegria (grrrrr). A mocinha entra no quarto já falando: "evanta, mamãe", abre a janela, acende a luz e começa a puxar meu braço. E ela não dá trégua enquanto eu não saio da cama.
Já sei. Vou deixar pra descontar quando ela for adolescente, porque certamente ela vai querer dormir mais do que eu. Enquanto isso, eu lembro do meu pai todas as manhãs, o que não é nada mal. Paizinho, tá vendo a sua neta bagunceira daí?

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Careca e sozinha

Ontem, num momento de inspiração, eu estava sentada no chão do banheiro enquanto a Luísa tentava fazer cocô, e ela me solta essa praga:
- Você caleca e sozinha!
Jisuis! De onde ela tirou isso? Praga de filho pega?
Só faltou completar: careca, sozinha e gorda!! haha!! Alguém pode me emprestar uma faca?

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Bruxa do 71

Vocês já repararam que tem umas idosas mal-humoradas que gostam de encrencar com grávidas e mães de recém-nascidos? Eu descobri, durante uma determinada fase da gestação, que algumas senhoras olhavam feio pra mim quando eu estava na fila preferencial. Digo senhoras porque nunca vi isso acontecer com um homem. Juro, já ouvi casos patéticos de velhinhas fazendo pouco caso de gestantes, como se a pessoa ali com quinhentos quilos (ou com 50, não interessa), falta de ar e mal estar (ou não, também não interessa) estivesse ali furando a fila preferencial e se aproveitando de uma velhinha indefesa.
Evidentemente, deixo claro aqui antes que alguém me reprima: não estou generalizando, até porque tem senhoras boníssimas que amam grávidas e pessoas em geral. Estou me referindo apenas a uma categoria específica de velhinhas más candidatas a bruxas dos desenhos infantis.
Também me lembro bem de um dia que eu estava no caixa preferencial com a Luísa no colo, bebezinha. Imaginem, bebê impaciente num braço, passando compras com o outro. Fácil, né? Daí apareceu uma velha mal-amada (nem era tão velha assim, acho que ela tinha adquirido recentemente o direito de usar aquele caixa), olhou bem pra minha cara e perguntou, com faiscas nos olhos: "ué, esse não é o caixa preferencial?"
Eu olhei pra cara dela com o meu olhar fuzilante que só o meu marido conhece e respondi: "é". E continuei minha compra. Com aquele ódio na garganta que eu fico quando me deparo com uma pessoa do mal.
Prontofalei. Desabafei. E que Deus me perdoe por amaldiçoar uma velha.

PS. Quem não sabe o que Bruxa do 71 tem a ver com a história é porque não assistiu Chaves na infância, certo? Bruxa do 71 era a velha que atormentava a vizinhança com uma vassoura na mão.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

O pilongo e o fângulo

Sei que é coisa de mãe coruja ficar escrevendo tudo o que a filha fala de engraçadinho, mas juro que é irresistível. Essa fase em que a Luísa está é demais. Dou risada o dia inteiro (vantagem de trabalhar em casa).
E, como eu quero que esse blog sirva como um livro de memórias para o futuro, então não tem jeito, esse aqui vai ter que ser mesmo o espaço para registrar essas coisas.
Mas, me falem, dá pra resistir quando escuta uma criança chamando pernilongo de pilongo? Ou frango de fângulo? Ou tampa de fampa?

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Eu boazinha

Nós duas brincando de massinha:
- Filha, me dá mais um pouquinho da massinha vermelha pra eu terminar o rosto da Branca de Neve?
- Dô, tó.
- Obrigada
- Nada. Eu boazinha.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Babás e o álcool

Aconteceu com uma pessoa conhecida na semana passada, vejam só.
Ligaram da escola do filho dela dizendo que a babá, que foi buscar o menino (de 1 ano e 9 meses), estava estranha. Minha amiga, na hora, deu uma fugida no trabalho e correu pra casa ver o que se passava. Chegou lá, a babá estava bêbada. Sim, bêbada.
Uma babá que ganha R$ 1.900 por mês, salário superior ao de qualquer outra babá que eu conheço que cuida de uma única criança. Mulher que essa amiga minha julgava incrível, experiente, cuidadosa. Ia se mudar com eles para os Estados Unidos, inclusive.
Ocorre que, no dia do aniversário da babá, fizeram um brinde com vinho na hora do almoço. A moça tomou um golinho. A garrafa ficou na geladeira e ela teve a brilhante ideia de tomar mais um pouco. E mais um pouco. Não estava acostumada a beber, ficou embriagada. E foi buscar o garoto na escola.
Também aconteceu com uma outra amiga: babá indicada por uma agência, checadas todas as referências. Pessoa bem humilde, não tão referenciada como a outra da história anterior, porém parecia correta. Tudo andava bem até que minha amiga começou a desconfiar que ela andava esquisita. E um dia descobriu que, ao longo do tempo, a moça tinha bebido toda a bebida que estava aberta guardada em um armário. A babá era alcóolatra.

Longe de mim tratar esses dois casos como uma generalização. Até porque tem gente boa e gente irresponsável em qualquer profissão. Mas vale o alerta para ficarmos atentas(os) aos menores sinais das pessoas que estão próximas dos nossos filhos.

domingo, 8 de novembro de 2009

De pai para filha

- Luísa, domingo é dia de que?
- De goooooool
- Gol de quem?
- Mengoooooo

Coitada. Lavagem cerebral desde cedo.

sábado, 7 de novembro de 2009

O Pequeno Príncipe ou Pinpinho para os íntimos

video
Semana passada nós fomos ver a exposição do Pequeno Príncipe na Oca do Parque Ibirapuera, em São Paulo. Que delícia de programa, recomendo! Não imaginava que alguém conseguiria montar uma exposição inteira, num espaço enorme como a Oca, simplesmente com o tema de um livro. Mas ficou fantástico.
E é bem interativo, dá pra levar crianças de todas as idades. Ponto alto é o andar mais alto da Oca, em que eles reproduziram a lua, a florzinha e os planetas. Mas também adorei a parte em que a criança passa com uma bolinha colorida e vai "carregando" os passarinhos, conforme está aqui nesse vídeo.
Luísa gostou bastante. E resolveu chamar o Pequeno Príncipe de "Pinpinho" (afinal, filho de Pinpe, Pinpinho é).
Vai até o dia 20 de dezembro. Terça-feira é de graça.
Mais informações aqui

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Papai não tava na feta da mamãe

Na noite retrasada, véspera do meu aniversário, o meu marido estava viajando a trabalho. Então ele não acordou aqui em casa com a gente. Quem comprou o bolinho na padaria foi a fofa da babá, e ela e a Luísa cantaram parabéns pra mim na cozinha. Logo depois dos parabéns, a Luísa comentou: "Papai não tá aqui junto". E nós explicamos que ele estava trabalhando. Passou.
À noite, quando o Luiz chegou em casa e começou a puxar assunto com ela, ele perguntou:
- Luísa, você sabia que hoje é aniversário da mamãe? Você falou parabéns pra ela?
E ela cantou de novo os parabéns "... tim bum, mamãe tiabeta, mamãe tiabeta...." e soltou na sequência, com uma carinha triste:
- Papai não tava aqui junto na feta da mamãe.
Fiquei impressionada em como a Luísa já sente as coisas. E o Luiz ficou arrasado pelo fato de a filha ter sentido falta dele num momento que ela julgava tão importante. Como assim, o papai não estava aqui na "festa" da mamãe?
Daí nós explicamos pra ela de novo que o pai estava trabalhando, e que no sábado teria uma festa de verdade pra mamãe e que todos estaríamos aqui cantando os parabéns juntos.
Em suma, acendeu o alerta vermelho: a Luísa definitivamente já não é mais um bebê e precisamos estar muito atentos às nossas atitudes.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Mamãe Tiabeta

É pique pique pique pique
É hóla hóla hóla
Tim bum
Mamãe Tiabeta, Mamãe Tiabeta, Mamãe Tiabeta


(Eu explico: Luísa me chama de mamãe Tiabeta por causa do meu sobrinho, o João Vitor, que me chama de Tia Beta. E como hoje é o meu aniversário, ganhei bolinho com direito a parabéns logo no café da manhã. Delícia.)

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Não dá vontade de morder?


Não aguentei e tive que roubar descaradamente uma foto do blog Comer Para Crescer (bem legal esse blog, aliás, viu? Passem lá visitar porque tem umas dicas ótimas de comidinhas pra criançada e para adultos que cozinham como crianças, como eu).
A foto é do projeto Funky Lunch.
Mas me digam: DÁ PRA AGUENTAR ESSE SANDUÍCHE DA LOLA???? !

Clássicos com pictogramas


Excelente aquisição dos últimos tempos: o livro "Clássicos com Pictogramas", da editora Girassol. Luísa está enlouquecida com esse livro. Acorda e já vai buscar pra eu ler, quer levar junto quando a gente sai pra passear (e olha que o livro é pesado, mas ela não larga), quer ouvir todos os dias antes de dormir. E já ouviu tanto a gente ler que agora ela mesma já se arrisca a contar as histórias sozinha (cenas hilárias dela misturando os personagens dos três porquinhos com o gato de botas e um tal de "funga funga" que eu não sei quem é. Qualquer dia vou tentar filmar pra colocar aqui.)
O livro traz contos clássicos como Branca de Neve, Gato de Botas, os Três Porquinhos, Mogli, Cinderela e o Patinho Feio, só que contadas de um jeito diferente. Como dá pra ver aí na capa, no meio do texto existem imagens (pictogramas) que dão um tempero interessante na hora de ler.
No começo eu ficava parando a leitura toda hora pra ver no final do livro o significado de cada desenho, mas logo percebi que era divertido inventar. E o lance dessas figurinhas é que a criança acaba se interessando em participar da leitura.
O livro não é dos mais baratos, não. Mas vi hoje que está em promoção no Submarino de R$ 54,90 por R$ 48,90. Sei que nem sempre o que interessa a uma criança interessa a todas, mas fica aí a dica.
Comentário posterior: A Anna disse que na Fnac o livro está saindo por R$ 43,11.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Eu quero me matar quando...

...eu esqueço de colocar a fralda na Luísa à noite (efeitos do desfralde) e a coitadinha acorda chorando porque fez xixi.