sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Boas compras nos outlets virtuais

Ando meio viciada nesses outlets virtuais (pois é, eu enlouqueço com uma promoção, prontofalei). Para quem não conhece, são clubes fechados que trabalham apenas pela internet e que vendem produtos de marcas nacionais e estrangeiras com grande desconto.
Vira e mexe aparecem promoções bem legais de lojas de roupas, sapatos e acessórios de crianças e bebês. As campanhas em geral duram uns dois ou três dias e têm estoque limitado. Por isso tem que ser rápido. Eu já comprei algumas coisas pra Luísa e chegaram direitinho.
Os que eu sou associada são:
Coquelux, BrandsClub, SuperExclusivo e Privalia.
O BrandsClub está com 60% de desconto na grife Petit. O Privalia tem hoje na promoção a marca de moda praia para crianças Requinho. Semana que vem, no dia 3, o Coquelux entra com duas promoções para crianças: livros infantis Girafinha e a marca de roupas Donna Chita.
O único lance é que, como esses clubes são fechados, você só entra se for convidado. Mas, caso alguém tenha interesse em conhecer, é só deixar um comentário aqui no blog com o e-mail e dizendo quais clubes quer entrar que eu mando o convite. Ou, se preferir, pode me mandar um e-mail: roberta.lippi@hotmail.com. Não tem custo para entrar.

PS. Esses outlets virtuais só têm um problema: demoram cerca de 30 dias pra entregar o produto. Eu mandei e-mail reclamando sobre isso (a gente até esquece da compra) e me responderam que o produto demora para ser entregue porque o pedido só é encaminhado para a marca após o término da campanha. Daí a empresa entrega os produtos num bolo só e o clube é que faz o manuseio, separação etc para enviar aos clientes. Isso significa que temos que ter paciência pra pagar barato. Mas, para quem é doido por uma promoção, como eu, vale a pena.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Técnicas para sair do quarto de fininho

Sabe quando você já está há um tempão ali no quarto esperando o fulaninho dormir e ele, de minuto em minuto, levanta a cabeça pra ver se você ainda está ali?
Ontem estava eu numa dessas, esperando a Luísa dormir e me deixar sair do quarto dela ("senta só um pouquinho, mamãe, senta") e pensei em fazer esse post. (afinal, ali no escuro não tem muita coisa pra fazer a não ser dormir também ou ficar pensando bobagens).
Então aí vão algumas técnicas pra sair do quarto de fininho sem que seu filho perceba:
1. Não respire
2. Jamais espirre porque isso fará com que ele desperte de novo
3. Coloque um protetor de berço ou um travesseirinho que impeça seu filho de te ver apenas abrindo os olhos. Assim fica mais fácil de fugir sem que ele te veja.
4. Tire os sapatos, chinelos e tudo mais. Meia é bom, porque não gruda no piso e é até melhor do que pés descalços que às vezes "grudam" no chão.
5. Garanta que não tem nenhum brinquedo espalhado pelo chão ou qualquer outra coisa no caminho em que você possa esbarrar quando for sair de fininho.
6. Deixe a luz do corredor apagada, porque senão quando você abrir a porta do quarto para sair, a iluminação vai aumentar e seu filho vai perceber.
7. Mova-se em câmera lenta. Primeiro uma perna, depois a outra, depois tire o bumbum de onde estiver sentado - quase um movimento de capoeira, saca?
8. Aproveite quando passa algum carro na rua e o barulho aumenta, assim seus ruídos podem se misturar com o barulho de fora.
9. JAMAIS (tá me ouvindo?), JAMAIS passe perto de qualquer ursinho, boneca ou brinquedo que toque musiquinha.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Mimo para blogueiros

Minha super amiga Cris, mãe do Pedro, que acumula as funções de minha madrinha e afilhada de casamento, deu um "presentinho" para o meu blog tempos atrás e, como eu acho tão útil, resolvi dividir aqui com os demais blogueiros que me acompanham ou me visitam (para aqueles que ainda não tem, óbvio).
É um buscador (esse que está aí do lado esquerdo da página) que funciona super bem pra encontrar assuntos sem ter que ficar procurando na lista de palavras-chave ou, pior ainda, olhando os posts mês a mês. Eu mesma busco meus posts antigos por essa ferramenta.
É muito fácil instalar. Então aí vai o endereço do blog onde a Cris pegou a dica:
http://templatesparanovoblogger.blogspot.com/2007/12/widget-para-colocar-busca-no-blog.html

Princesinha feiosinha


No último final de semana assisti a um desenho muito legal na Discovery Kids que eu ainda não conhecia e achei o maior barato, o Princesinha (Little Princess). Em resumo, são histórias baseadas nos livros do escritor e ilustrador britânico Tony Ross que falam de uma menina de 4 anos e seus dilemas. Ele se baseou na própria filha pra escrever o primeiro livro de uma série, há 22 anos.
O que eu gostei é que se trata de uma garotinha comum, totalmente fora do estereótipo de uma princesa (nessa foto ela não mostra os dentes, que são bem feinhos rsrs). A família (de monarcas) também usa roupa comum e eles não são ricos. Eles nadam em uma piscina regã (aquelas montáveis de plástico), por exemplo.
O episódio que eu vi era sobre 'compartilhar' e foi bem bacana. Também achei o máximo porque ela fala mandando, igualzinha às crianças pequenas (Faz isso, Pega, Me dá...).
Sempre tem uma mensagem bacana nos capítulos. Entre outros assuntos tratados na série estão a perda dos dentes, a necessidade de aprender a se vestir sozinha e de pedir “por favor”, o medo de dormir sozinha no escuro, o novo irmãozinho etc.
Dei uma pesquisada na internet e vi que os livros desse escritor/ilustrador foram lançados no Brasil pela editora Martins Fontes. Os capítulos, de meia hora de duração, são exibidos aos sábados e domingos no Discovery Kids, às 18h30. Vale a pena.

domingo, 25 de outubro de 2009

Castigos

A Thaís, do Aprendiz de Mãe, me perguntou como é o lance dos castigos da Luísa. Como eu não tenho nenhum problema em falar sobre isso, em vez de mandar e-mail só pra ela resolvi fazer um post.
Nós procuramos, eu e o Luiz, ser bastante firmes na educação da Luísa sempre na base da conversa, e temos também a sorte de nossa filha ser uma criança calma e, na maior parte das vezes, bem educada. Não tiramos nenhum enfeite da sala, por exemplo. Só aqueles que ofereciam algum risco à segurança. Foi um trampo falar milhões de 'nãos' (educar dá um baita trabalho, nossa senhora), mas hoje ela respeita e não mexe em nada. A casa não é só dela, e ela tem que aprender a respeitar os espaços de cada um. Insisto o dia inteiro no "por favor", "desculpas" e "obrigada" e ela já sabe bem para que serve cada uma dessas palavrinhas (mesmo se recusando em usá-las algumas vezes).
Procuro ser tolerante e ter paciência com as birras e manhas, o que não é nada fácil, mas algumas questões, na minha concepção e do meu marido, são intoleráveis e inquestionáveis. Desrespeito ao próximo (seja ele quem for) é uma delas. Luísa já tem 2 anos e tem muita noção das coisas. Se destratar ou bater em alguém (seja eu, o pai, a babá, a diarista ou quem quer que seja), dou bronca (sem gritar, falando abaixada na altura dela) e exijo que ela peça desculpas. Não pediu desculpas ou repetiu a agressão, fica de castigo pra aprender a respeitar as pessoas.
Mas felizmente foram raras a vezes em que precisei fazer isso.
Na prática, o castigo é aquele lance do "cantinho" (no meu tempo as professoras na escola colocavam a gente atrás da porta, lembram-se que horror?!!). Eu simplesmente a coloco sentada no sofá da sala, TV desligada e sem brinquedos. Explico o motivo do castigo, falo pra ela pensar no que fez e digo que ela só vai sair dali quando eu for lá tirá-la. E ela fica ali chorando, sentadinha. Se sair antes de terminar o castigo, levo de volta quantas vezes for preciso. Deixo em geral uns 2 minutinhos. Quando volto lá, relembro o motivo do castigo e digo que ela tem que pedir desculpas a quem tenha agredido. Se não pedir, volta ao castigo de novo, para que ela realmente aprenda.
Às vezes ela me desafia. Eu falo "se você fizer isso de novo vou te colocar de castigo" e ela responde, enfrentando: "qué castigo". Então eu coloco. E ela logo se arrepende e começa a chorar. Mas fica ali pra aprender.
Eu ainda não sei se a Luísa hoje é uma criança (na maior parte das vezes) educada porque agimos assim ou por ser da própria personalidade dela. Pode ser que, no futuro, eu tenha outro filho e as mesmas regras tenham efeitos diferentes. Mas eu acredito na minha forma de agir (como cada mãe tem a sua forma de pensar) e, mesmo não acertando sempre (lógico que tenho milhares de dúvidas e inseguranças), procuro fazer o meu melhor - e estou sempre por perto, dando todo o amor do mundo.
Se alguém tiver alguma experiência sobre esse assunto para acrescentar, será bem-vinda.

sábado, 24 de outubro de 2009

E o tapete ficou de castigo

Vejam só essa. Luísa ontem pegou o tapete da cozinha e foi arrastando até a sala. Colocou em cima do sofá (bem no cantinho onde ela fica de castigo quando precisa) e voltou pra cozinha.
A babá perguntou: Luísa, você levou o tapete pra passear?
- Não, tá di catigu
- Ué, por que o tapete está de castigo?
- Ele ateu (fez o som "pá!") ni mamãe
- Ah, é? Ele bateu na mamãe?
Eu aqui no escritório ouvi e já comecei a rir. Intervi na conversa:
- O tapete bateu na mamãe, né, filha? E como é que ele tem que fazer agora?
- Acupa (tudo começa com a letra A, como eu já contei aqui)
- Muito bem, pediu desculpas. Então agora dá um beijo na mamãe.
- Não, foi o tipeti.

É mole ou quer mais? Olha só o raciocínio de um serzinho de 2 anos: se quem me bateu foi o tapete, é ele que tem que vir me dar um beijo... Tá certa, né. Quase morri de rir.

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Fábula


Descobri outro dia a loja de roupas infantis mais linda que eu já tinha visto. Chama-se Fábula, filhotinha da grife carioca Farm e só tem roupas de meninas (infelizmente para as mães de meninos). Eles já tinham duas lojas no Rio e recentemente abriram em São Paulo, no shopping Market Place.
Além do fato de as roupas serem fofíssimas e despojadas, bem estilo carioca, a loja é muito linda e diferente de tudo que a gente costuma ver por aí.
Deixo claro não estou ganhando nada pra fazer propaganda (se tivesse, falava aqui. Aliás, alou, se alguém da loja quiser mandar um vestidinho, pode mandar hahaha). Também não comprei nada lá porque os preços são salgadinhos (lógico que não podia ser perfeito) e resolvi deixar para uma ocasião especial, mas recomendo a quem estiver passando por perto entrar nem que seja só pra conhecer a loja.
O site também é fofíssimo, com uma trilha sonora de super bom gosto.
www.afabula.com.br

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Para a mãe da Mariana e do André


Ei, Rê Lilata, dos seus gatos e da sua gatinha, é com grande prazer que comunico que você foi a sorteada aqui do blog para ganhar o meu presente de Dia das Crianças, o kit do Parangolé!! Amiga blogueira que eu tive o prazer de conhecer pessoalmente, mãe do André fofíssimo e gravidinha de uma menina que acaba de ser anunciada como Mariana!! Parabéns, Rê, você é uma querida e fico muito feliz em te dar esse presente. O sorteio desta vez foi assim: aprendi com a Mari a usar o tal random.org, e o número foi o 21. Tirei o meu comentário, os repetidos e fui andando na sequência. E cheguei na Renata.
Mas eu tenho que dizer que esse post sobre o kit do Parangolé, em que eu pedi que as pessoas falassem um pouquinho de si, foi uma surpresa enorme pra mim. Fiquei encantada por ver tanta gente de cidades, estados e países diferentes - mas que, no mundo virtual, estão todos em um mesmo lugar.
Àqueles que estão sempre aqui, meu obrigada pelo carinho, pela companhia e pela troca, já que muitos comentários são melhores do que os posts.
Àqueles que se manifestaram pela primeira vez, sejam muito bem-vindos. E agora por favor percam a vergonha e deixem sempre comentários, porque eu adoro!
Àqueles novos que estão chegando, muito prazer!!
E aos meus familiares e amigos que dizem que estão sempre aqui quando me encontram mas nunca se manifestam, meu puxão de orelha. Tratem de se manifestar, hein!! Glauco, Glauce, Dri, Cissa e Fe, acho que vocês são os únicos que sempre deixam comentários, então vocês estão liberados da bronca e ganham meu beijo enorme.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Os brinquedos fantasma atacam novamente

Lembram daquele post que eu fiz sobre a maldição dos brinquedos que tocam musiquinha? Pois é, eles assustadoramente estão de volta. Vou contar o que aconteceu esta noite.
4h33 da manhã. Luiz me cutuca.
- Rô
- Humm
- Tem um brinquedo da Luísa tocando sozinho, escuta
Silêncio
De repente escuto: "Tãããã, tãããã, brrrrrrr"
- Putz, é mesmo
Espero pra ver se para.
E o bichinho começa de novo.
Levanto pra ver se era um dos brinquedos que havíamos separado ontem à noite para doação. Não era. Escuto de novo o barulho vindo do quarto da Luísa. Por sorte, ela ainda dormia.
Já pensei: "caramba, se o maldito fantasma estiver no meio da cesta de brinquedos eu tô ferrada, porque vou ter que mexer lá e a Luísa vai acordar".
Mas por sorte não era. O maldito carrinho estava ali tranquilinho, sobre uma mesinha no quarto da Luísa. Tocando sozinho, o desgraçado.
Tiro a p... do quarto dela e levo correndo pro escritório, porque quando eu pego ele começa a tocar ainda mais enlouquecidamente. E não tem trava on/off. Pego uma faca e, toda descabelada, morrendo de sono, tento desparafusar a caixinha da pilha. E o bicho tocando. E o Luiz chega, rindo e xingando. Consigo abrir a caixinha e tiro a pilha.
Temos um ataque de riso e depois voltamos a dormir.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Mocinha

Luísa está tão independente que agora ela vai sozinha ao banheiro, faz xixi, se limpa, sobe a calça e depois só vem avisar que já fez. Faz aquela lambança com o papel higiênico, mas está valendo. Outro dia ela me chamou pra contar que tinha feito um "cocozão de achoio" (uma vez ela fez um tão grande que eu falei que parecia cocô de cachorro. E agora ela repete isso toda vez). E não é que eu cheguei lá no banheiro e ela tinha feito mesmo? Deu vontade, foi lá e fez, sem chamar ninguém pra ajudar.
Agora ela praticamente já não tem mais escapadas na calça. Estou feliz da vida com essa minha mocinha que também come sozinha, pede guardanapo pra limpar a boca e pede licença quando quer passar por alguém. Os dentes ela também quer escovar sozinha, mas essa parte a gente ainda tem que fiscalizar, porque senão ela só chupa a pasta de dente (sem fluor) e não escova nada.

Procura-se Luciana

Nunca falei aqui no blog sobre depressão pós-parto, porque felizmente eu não tive esse problema na minha primeira gestação. Mas conheço vários casos de pessoas que passaram por esse problema, inclusive rejeitando o próprio filho. É um assunto muito sério e que pode acontecer com qualquer um.
Eis que a Lia, gravidinha do blog 123 Saco de Farinha, pediu ajuda para divulgar o sumiço da irmã de uma amiga dela, que vivia no interior de São Paulo. Essa moça se chama Luciana Gonzaga Lopes, 26 anos, estudante de pedagogia e mãe de uma menina de 11 meses. Em junho deste ano, no meio de um processo crítico de depressão pós-parto, abandonada pelo pai da criança, a Luciana foi embora de casa só com a roupa do corpo e alguns remédios que estava tomando. Até hoje não deu notícias, apesar de a família achar que ela está bem em algum canto. Para ajudar na busca por notícias, a irmã dela criou um blog Procurando Luciana, em que mostra algumas fotos da Luciana e deixa os telefones de contato.
Quem puder ajudar a divulgar, dê essa força para essa família e para a própria Luciana.

PS. Um amigo meu, homem, teve um surto desses logo após o nascimento do filho dele. A esposa tinha acabado de ter bebê e ele simplesmente pirou. Pegou o carro e saiu de Campinas dirigindo sem destino, sem atender telefone, sem falar com ninguém. Os amigos e família conseguiram localizá-lo acho que dois dias depois, por GPS, em Curitiba. Depois ficou tudo bem. Ele voltou pra casa e é um pai super coruja desse filho lindão de morrer.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Viajar sem ela é bom também

O bom de viajar sem filhos:
- Acordar quando quiser, dormir quando quiser
- Não ter que carregar tanta tralha
- Não ter tanta coisa pra pensar antes de sair para qualquer passeio e ainda assim sempre acabar esquecendo alguma coisa importante
- Fazer tudo com tranquilidade no aeroporto
- Namorar sem ser interrompido

O ruim de viajar sem ela:
- A saudade imensa
- A vontade de que ela esteja junto em alguns programas legais da viagem
- O aperto que dá no coração cada vez que vejo outra criança
- Meia hora de bode total depois de falar com ela ao telefone.
- Ter toda hora aquela sensação de que está faltando alguma coisa.

Mas a viagem foi maravilhosa. Assim como da primeira vez em que viajamos sozinhos (contei aqui), a pior parte foi a despedida (pior pra mim, porque ela ficou bem). Depois que entrei no avião, embarquei também na ideia desses merecidos dias de descanso. E, vamos combinar, com duas avós e um avô pra tomar conta, não poderia ser melhor pra Luísa, poderia? Ela ficou ótima por aqui. E amou os bilhetinhos, que foram lidos, a pedido dela, várias vezes por dia.
Ou seja, é uma renovação importante pra qualquer casal. É muito bom voltar a ser um par de namorados de vez em quando. Mas só de vez em quando, porque nossa vida sem a Luísa não teria a menor graça.

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Para Luísa

Quarta-feira

Oi, filha,
Já estamos com saudades!
Nós estamos viajando de avião e vamos passar a noite dentro dele, voando lá no céu.
Mamãe e papai vão passar uns dias longe de você, mas nosso coração ficou aqui em casa, bem pertinho.
Amanhã nós vamos chegar em outra cidade, num outro país. Um dia você vai conhecer esse lugar também.
Agora vamos todos dormir porque já está tarde. Durma bem - na sua caminha, tá? Os anjinhos estarão com você.
Nós te amamos muito.
Um beijo,
Mamãe e Papai

Deixei um bilhetinho pra cada dia da nossa ausência, todos para serem lidos no horário da “hitólia”, antes de dormir. A idéia dos bilhetes não é originalmente minha. Li em algum lugar, muito tempo atrás, e achei uma forma bacana de estarmos presentes na rotininha dela durante a nossa viagem.
Aliás, desta vez está sendo bem mais fácil do que da primeira vez que viajamos sem a Luísa. Estou sofrendo menos, apesar de não conseguir ficar tão ansiosa com o passeio ainda. Mas estou precisando namorar um pouco com o maridón também. Nós merecemos. Chegaremos de volta na segunda-feira de manhã. Se der, dou um alô, mas acho que até lá ficarei ausente aqui do blog. Beijocas, boa semana pra todos e até breve.

PS. Não se esqueçam que o sorteio do kit do Parangolé, do post anterior, estará aberto esses dias todos pra quem ainda não se manifestou por aqui. Ah, e estou adorando saber um pouquinho mais das pessoas que acompanham o blog. Tem tanta gente de longe!! É muito bacana como no mundo virtual não existe distância entre as pessoas...

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Meu presente de Dia das Crianças


Eu já falei aqui várias vezes do Parangolé, um grupo musical/teatral da ONG mineira Emcantar que é o máximo. Luísa adora e eu já dei de presente pra várias pessoas. Eles produziram um kit que vem um CD com canções populares (com excelentes arranjos musicais); um DVD com um média-metragem de 50 minutos lindo, que usa músicas e brincadeiras para contar a história de um menino que precisava comprar remédio para a mãe e não tinha dinheiro; um CD com playback das músicas para educadores e quem mais quiser aproveitar para cantar e interagir com as crianças; e também um livrinho com as letras cifradas das músicas e o passo a passo de como aplicar as brincadeiras. É um trabalho bastante divulgado em escolas de Minas Gerais que resgata brincadeiras da nossa infância com uma produção de altíssima qualidade.
E, já que eu falo tanto deles, fui cara de pau e entrei em contato com a assessoria de imprensa do Emcantar, perguntando se eles dariam um kit pra eu poder sortear aqui no blog no Dia das Crianças. E eles toparam.
Eu adoraria poder dar um presente pra cada leitor aqui do blog. Porque vocês não sabem o quanto o carinho que recebo de vocês é importante pra mim. O Meu Projetinho de Vida, vocês leitores e os outros blogs que eu descobri nesse mundo da maternidade me fazem companhia, me ensinam, me fazem rir e chorar de emoção. No começo eram só os amigos, mas depois outras pessoas começaram a descobrir o blog, se aproximar e ficar. Dá pra acreditar que só no mês passado o Projetinho de Vida teve mais de 5 mil acessos? Mas como não dá pra presentear todo mundo, vou sortear um kit do Parangolé de presente entre as pessoas que deixarem um comentário aqui até o dia 19/10.
Quero apenas aproveitar esse sorteio pra conhecer um pouco mais de vocês. Além de deixar nome e e-mail para contato, gostaria que vocês dissessem se têm ou não filhos, qual a idade deles, onde moram e como chegaram aqui no blog. Pode ser?
Para quem não for sorteado, fica a dica: o kit Parangolé está à venda nos sites www.submarino.com.br; www.fnac.com.br; www.livrariacultura.com.br; www.tratore.com.br
ou pelo email contato@emcantar.org. O site da ONG é www.emcantar.org.br
Um beijo grande e Feliz Dia das Crianças para todos os pequenos!!

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Luísa e o príncipe rejeitado

Esta semana, no aniversário da amiguinha da Luísa, teve uma apresentação de teatro bem legal, com a história da Branca de Neve. Tinha a própria Branca de Neve, o príncipe bonitão (sem nome, porque os príncipes nunca têm nome, né?), a madrasta (que é também a bruxa) e o Dunga. Eram só esses personagens em uma história adaptada, mas a maquiagem e as roupas eram muito bem feitas.
Sei que a Luísa amou o teatro. Ela estava detestando a festa até começar o "teato". Ficou lá paradinha, assistindo ali do meu colo.
Quando acabou a peça, os personagens começaram a interagir com as crianças. Mas a Luísa nunca é de se jogar nessas coisas. No começo da festa, por exemplo, o Dunga deu uma circulada por lá e ela chorou horrores de medo. Mas depois ela se entusiasmou e quis ir lá com os personagens. Quis ficar ao lado da Banca i Eve e do Pínpe. Quis tirar foto com eles, sentou no colo da Branca de Neve, deu beijinho nela, fez a festa. Engraçado ver como o comportamento da Luísa está mudando aos poucos e ela já está ficando bem mais soltinha.
Mas sei que uma hora o príncipe queria pegar a Luísa no colo. E ela não quis. E ele quis dar um beijinho nela, e ela recusou. Tentei dar um empurrãozinho, mas não rolou.
Eu, macaca velha que sou, só ficava pensando: Luísa, um dia você vai se arrepender tanto de ter desprezado esse príncipe...

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Passaporte da Leitura + Ruth Rocha


Olha, eu não sei fazer aquele sorteio eletrônico, então apelei para o processo prosaico do papelzinho dobrado. Mas pude contar com a auditoria da babá Vera e da própria Luísa, que foi a responsável por escolher o papelzinho com o nome do vencedor da campanha pelo incentivo à leitura, que fiz aqui na sexta-feira passada.
Além do Passaporte da Leitura, criado pelo Instituto Ecofuturo, e do CD com uma música do Palavra Cantada (não se decepcione porque é uma música apenas, hein!!), eu resolvi incrementar o prêmio, por conta própria, com o livro "A Fantástica Máquina dos Bichos", da Ruth Rocha, uma das grandes autoras brasileiras de livros infantis.
E a sorteada foi... a FERNANDA PIOVEZANI, também mãe de Luísa, minha leitora fiel e amiga que mora lá em Sorocaba!! Parabéns, Fê! Fico orgulhosa em te dar esse presente porque sei que você me acompanha desde o início, nos tempos em que só as amigas sabiam da existência do meu blog.
PS. Só um lembrete: quem não foi sorteado pode acessar gratuitamente o Passaporte da Leitura aqui neste link e imprimir em casa.

Procura-se


Como fui eu que arrumei o problema de dar a naninha pra filha da minha amiga (já contei aqui), me sinto na obrigação de divulgar a campanha "Procura-se naninha da Paola", da Adriana, do Gringuinhos.
Aí segue a foto da procurada. Se alguém souber onde tem uma dessas, por favor entre em contato com a Adriana e me salve dessa enrascada!! Uma amizade de muitos anos agradece.

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Chantagem

Em geral, tudo fica bem mais fácil depois que a criança começa a falar. Mas, por outro lado, a dona Luísa aprendeu a fazer chantagem e eu agora sofro mais do que antes com algumas coisas. Quando ela fazia manha e eu a deixava um pouco chorando, era mais fácil aguentar do que agora.
Nesta última semana ela deu pra regredir no sono mais uma vez, acordando de madrugada quase todos os dias. E agora ela quer que eu fique sentada na cama ao lado do berço. Mostra a mãozinha e fala "senta aqui, só um pouquinho". Deita, mas de minuto em minuto ela levanta a cabeça pra ver se eu estou ali ainda. E esse "pouquinho" só tem fim depois que ela volta a dormir. Adormeci nessa cama ao lado do berço várias vezes na última semana por conta desses choramingos. Mas estou tentando mudar a postura porque ela já está se acostumando mal de novo. E criança é assim: você dá a mão, ela quer o corpo todo. Se deixar, meu amigo, ela toma conta completamente e eu vou dormir no quarto dela pra sempre. Tenho consciência de que educar é colocar limites, e também sei que cada família tem os seus.
Ontem, depois de ficar um tempo com ela no quarto, falei que ia dormir, dei um beijo e saí. E ela ficou lá chorando. Pensei: logo ela para.
Mas não parava. E aí começava a chantagem usando todos os argumentos que ela tem pra mobilizar a casa:
- Mamãaaae
- Mamãaaae
...
- Papaaaai
- Papaaaai
...
- Titi Béeeu (é como ela chama a Vera, a babá)
...
- Xixiii, mamãaaae, xixiiii....
...
- Cocôooo, mamãe, cocôooo
...
- Vem aqui só um pouquinho, mamãaae (e nisso meu coração em frangalhos)
...
Então, vem a derradeira:
- Caiu pepêeee, mamãe, caiu pepêee (tenho certeza que ela joga a chupeta no chão de propósito).
E aí eu vou lá pegar. E fico mais um pouco até ela dormir.
Êita calvário que nunca tem fim.

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Menino brincando de boneca

Minha amigona Cris me mandou essa matéria bem interessante da Revista Crescer, que fala sobre a velha história dos brinquedos de menino e brinquedos de menina.
O texto traz uma quebra de paradigma em relação a essa questão cultural e machista que existe no Brasil em relação ao comportamento infantil. Afinal, com os novos papéis que mães e pais têm assumido na sociedade, não faz mais sentido rotular coisas como sendo "de homem" ou "de mulher", certo? Existem hoje muitos pais que assumiram numa boa a gestão das tarefas domésticas e a criação dos filhos enquanto as mães trabalham fora.
Os especialistas mostram que essas mudanças também chegaram às brincadeiras, e que as experiências e diversidade na forma de brincar são importantes para a formação - e não influenciam na sexualidade da criança. Um exemplo dado pela psicóloga entrevistada: durante uma viagem, ela percebeu que um grupo de crianças, formado por meninos e meninas com aproximadamente 8 anos, brincava com soldados e barbies. Em um momento, trocaram entre si os bonecos. Os meninos continuaram brincando de luta com as barbies e as meninas continuaram brincando de historinhas.
"Quando você estimula seu filho a brincar com vários tipos de brinquedos, dá a ele a chance de desenvolver habilidades que vão ser importantes para o futuro dele, incluindo até a escolha da carreira. Se uma menina se diverte com blocos, ela tem mais chance de conseguir um desempenho melhor se pensar em ser engenheira; se tiver carrinhos, vai desenvolver mais a motricidade e o pensamento espacial e pode ser uma melhor motorista, por exemplo. O menino que brinca com bonecas pode ter mais facilidade para se relacionar com outras pessoas e entender melhor as mulheres – e essa não é a maior queixa feminina?"
Nunca vi pais comprando uma boneca para um filho homem ou um caminhão para a filha (se bem que eu mesma dei pra Luísa outro dia o carrinho que tinha comprado para o meu sobrinho e ela adora). Mas, quando vou a lugares públicos, como brinquedotecas, vejo como os meninos adoram brincar de fazer comidinha na cozinha ou colocar as bonecas para dormir. Ali eles acabam expondo um comportamento que é totalmente freado dentro de casa. Não sou educadora ou psicóloga para falar profundamente sobre o tema, mas acho esse assunto bem interessante.

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Festinha na segunda-feira é sacanagem

Festinha de criança logo na segunda-feira é sacanagem com alguém que vive tentando emagrecer, como eu. E o regime? Como faz? Hoje teve festinha de uma super amiguinha da Luísa, aqui do prédio. Não dava pra não ir. Mas tudo o que eu passei segurando a onda durante todo o dia se foi depois da festa. E imaginem só: a mãe da aniversariante é confeiteira das boas. Me matei naqueles docinhos. Tô arrasada.
Luísa ainda não está na escola, mas não sei o que vai acontecer comigo quando tiver festinha todo fim de semana. Eu adooooro comida de festa de criança. Adoro doces. Preciso de alguma dica pra resistir a essas tentações. Alguém, por favor alguém?
Já pensei em jantar ou fazer um lanche antes da festa. Mas corro o risco de comer dobrado, porque duvido que vá passar sem experimentar um de cada docinho (adianto que o brigadeiro branco com uva dentro é um dos meus favoritos).
Aguardo orientações sobre como proceder nessas horas tão difíceis.
PS. Olha só a situação: a mãe da aniversariante não estava na festa hoje. Motivo: a bolsa dela estourou um mês antes do previsto e ela teve bebê nesse fim de semana. Só vai poder ir pra casa amanhã e portanto não pôde ir à festinha de 3 anos da primeira filha. Eu morria.

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Criando o hábito da leitura

Eu gosto de ler desde pequena. Fui a única dos três filhos em casa que adquiriu esse hábito. Eu entrava em bibliotecas e livrarias e fazia a festa, porque meu pai sempre me incentivou e comprou os livros que eu queria - me lembro que eu tinha toda a Coleção Vagalume em casa. Minha mãe sempre leu muito. E os livros, a escrita e a comunicação continuaram a fazer parte da minha vida e também da minha profissão de jornalista.
Confesso que hoje leio menos do que gostaria ou que deveria. Mas incentivo a Luísa desde cedo comprando livros de todos os tipos que são adequados para a idade dela. Também a levo desde bebê em livrarias.
Hoje ela pede "hitólia" antes de dormir: abre o armário, escolhe o livro e pede que eu conte. Depois guarda aquele e pega outro. Às vezes ela pega o livro sozinha e fica lendo, me imitando. Fico muito feliz com isso e espero que ela nunca abandone esse hábito.
Estou falando isso porque na semana do dia 12 de outubro vai ser comemorada pela primeira vez a Semana da Leitura e Literatura. E todos nós sabemos que o incentivo e a participação dos pais nesse processo de criar o hábito da leitura nas crianças é fundamental. Olha só que interessante: segundo uma pesquisa do Instituto Pró-livro, um em cada três leitores lembram-se da mãe lendo para eles quando pequenos e 51% dos leitores dizem que a mãe foi a pessoa que mais os incentivou a ler.
O Instituto Ecofuturo lançou no ano passado o Passaporte da Leitura – Brincar de Ler, publicação que traz dicas de como tornar a leitura uma divertida brincadeira. E eles convidaram o Meu Projetinho de Vida para ajudar na divulgação da campanha, oferecendo também um Passaporte da Leitura para sorteio, que vem acompanhado do CD com uma música do Palavra Cantada. Quem quiser, é só deixar um comentário aqui deixando nome e e-mail para contato e eu sorteio entre os participantes.
De qualquer forma, o Passaporte da Leitura também pode ser acessado aqui e impresso em casa.
Eu percebo que, na comunidade dos blogs, as mães costumam falar muito sobre livros e programas culturais, mas tem muita gente que ainda não se deu conta disso. E, para essas pessoas, eu digo que vale a pena prestar atenção. Não deixem passar a chance de criar nos seus filhos esse hábito que vai ser importante para o resto da vida.

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Dica para quem vai comprar berço


Eu hoje estava passando por uma loja de decoração de quarto de bebê e resolvi entrar, porque as coisas eram maravilhosas e muito diferentes. Como eu vou me mudar e estou vendo algumas coisinhas pra decoração do quarto da Luísa, fui lá fuçar.
E vi um berço maravilhoso, talvez o mais lindo que eu já vi até hoje. Nem perguntei o preço porque eu não queria comprar e também provavelmente porque aquele deve custar uma fortuna. Mas eu fiz uma pergunta pra vendedora que me deu o estalo de fazer um post aqui para as mães que ainda vão montar o seu enxoval. Perguntei se a grade do berço descia, e ela disse que não, apenas o estrado. E aí é que a coisa complica.
Quando o bebê é rescém-nascido, não faz muita diferença o modelo de berço que você comprou, porque o estrado vai ficar no máximo de altura e seu bebê não vai se mexer dali. Porém, depois de poucos meses você já terá de baixar o estrado porque a criança começa a subir na grade. A Luísa ficou em pé na grade do berço com cinco meses, pra se ter uma ideia.
E é nesta fase que você vai sentir falta de uma coisa se o seu berço não tiver: de uma grade móvel e de profundidade na altura do estrado. Eu hoje acho que acertei na compra. O berço é simples, mas com as funções que eu precisava. Uma amiga outro dia reclamou que o berço virou um problema pra ela justamente por isso. Pelo seguinte: quando você desce bastante o estrado (o fundo do berço), vai ficar muito difícil colocar o bebê ali quando ele já estiver dormindo. Praticamente você vai ter que soltá-lo se a grade não for móvel. Os homens em geral têm menos dificuldade, por serem mais altos, mas eu, por exemplo, não consigo colocar a Luísa no berço com a grade levantada.
O berço dela tem uma peça na grade (nada muito sofisticado) que abaixa e levanta e é possível fazer isso apenas empurrando com o joelho (porque muitas vezes eu abaixo a grade com ela no colo, dormindo). E o estrado também desce bastante, até ficar na altura de uma caminha. Ela dorme nesse berço até hoje (e graças a Deus ela nunca tentou escalar, como muitas crianças fazem). O único cuidado é nunca esquecer de levantar a grade depois que põe o bebê pra dormir. Eu já faço isso no automático, mas quem não está habituado tende a esquecer. A foto acima é de um modelinho que eu peguei na internet só pra ilustrar a grade móvel. Existem também os modelinhos que viram caminha depois, que me parecem interessantes também. Mas não tenho experiência pra falar sobre eles. Se alguém tiver, por favor conte aqui. Outras experiências e dicas também são bem-vindas.