terça-feira, 17 de novembro de 2009

O espírito do meu pai baixou na Luísa

Tenho trauma de infância do meu pai acordando a gente de manhã. Eu sou daquelas que demora uma meia hora pra acordar de verdade, sabe? Gosto de ficar quieta, fazer tudo devagar, tomar banho pra acordar. Não sou mau-humorada, mas também não sou daquelas que acorda cantando. Aliás, isso me irrita um pouco (bastante).
E eu me lembro perfeitamente de como o meu pai me irritava quando ele entrava no quarto de manhã cantando, falando alto, e abria a janela. E pior ainda, puxava a coberta da nossa cama (somos em três irmãos). De vez em quando, nos finais de semana (ou seja, não era dia de escola e portanto poderíamos dormir até tarde), pra azucrinar mais ainda, ele ainda cantava o hit da rádio Jovem Pan "vambora, vambora, olha a hora, vambora, vambora". Eu levantava louca da vida.
Agora o espírito do Leonel resolveu baixar na Luísa de manhã, para minha alegria (grrrrr). A mocinha entra no quarto já falando: "evanta, mamãe", abre a janela, acende a luz e começa a puxar meu braço. E ela não dá trégua enquanto eu não saio da cama.
Já sei. Vou deixar pra descontar quando ela for adolescente, porque certamente ela vai querer dormir mais do que eu. Enquanto isso, eu lembro do meu pai todas as manhãs, o que não é nada mal. Paizinho, tá vendo a sua neta bagunceira daí?

7 comentários:

Cissa disse...

Oi, Rô, é dose, né? Lembro do meu irmão, que é bem mais novo do que eu, entrando no meu quarto, abrindo os meus olhos com os dedinhos e falando: "acordô, já?". Era bonitinho. Lembro com saudades disso.

Mônica Brandão disse...

Oi Roberta, ri muito com a sua história porque também sou mais ou menos como você: só consigo acordar para valer (e ficam de bom humor) depois de tomar café. Então, quase todos os dias, tento levantar mais cedo que as meninas e tomar meu café sossegada. Quando isso não acontece é um terror! As duas ficam deitadas na cama, pulando em mim e tentando abrir os meus olhos. E não adianta nem o pai tentar me salvar. Elas querem a mãe...
beijos
Mônica

Dani disse...

Rô, lá em casa era minha mãe que fazia isso comigo e minha irmã. Um dia, quando ela puxou minha coberta, puxei de volta prá mim. Usei tanta força, que a minha mãe caiu de boca em cima da minha cama!
Lendo seu post, lembrei disso e dei muita risada!
Também me perguntei: será que a Nina ainda vai fazer isso comigo?
Vai...né!!!!
Beijo!
Dani

Mãe do Pitoco disse...

Ás vezes fico pensando se mania esquisita de família vem programada pelos genes. Não é louco isso? Pitoco também tem umas manias do pai que não foi adquirida por observação, só pode ser genético. Doido, não? hehehe Beijocas nas duas.

Letícia Volponi disse...

ai, coitado do meu pai. Sofria tanto para me tirar da cama... Eu, assim como a mãe do pitos, tenho quase certeza que isso é herança genética. Laura não conheceu o bisavô Celso, mas faz coisas tão iguais às que ele fazia que chego a me emocionar.

Cynthia Santos disse...

ahahaha
Também detesto ser acordada antes da hora, fico num mau humor extremo... minha mãe sempre me acordou sacudindo, eu ficava pra morrer... Arthur ainda não anda (está quaaseee), mas tem pulmões maravilhosos e acorda toto-santo-dia às 5h30m da manhã... sem comentários...ehehehe

Fe disse...

Saudades do seu pai que deu agora ......Lindo ! beijo p vc