segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Viajar sem ela é bom também

O bom de viajar sem filhos:
- Acordar quando quiser, dormir quando quiser
- Não ter que carregar tanta tralha
- Não ter tanta coisa pra pensar antes de sair para qualquer passeio e ainda assim sempre acabar esquecendo alguma coisa importante
- Fazer tudo com tranquilidade no aeroporto
- Namorar sem ser interrompido

O ruim de viajar sem ela:
- A saudade imensa
- A vontade de que ela esteja junto em alguns programas legais da viagem
- O aperto que dá no coração cada vez que vejo outra criança
- Meia hora de bode total depois de falar com ela ao telefone.
- Ter toda hora aquela sensação de que está faltando alguma coisa.

Mas a viagem foi maravilhosa. Assim como da primeira vez em que viajamos sozinhos (contei aqui), a pior parte foi a despedida (pior pra mim, porque ela ficou bem). Depois que entrei no avião, embarquei também na ideia desses merecidos dias de descanso. E, vamos combinar, com duas avós e um avô pra tomar conta, não poderia ser melhor pra Luísa, poderia? Ela ficou ótima por aqui. E amou os bilhetinhos, que foram lidos, a pedido dela, várias vezes por dia.
Ou seja, é uma renovação importante pra qualquer casal. É muito bom voltar a ser um par de namorados de vez em quando. Mas só de vez em quando, porque nossa vida sem a Luísa não teria a menor graça.

8 comentários:

Daniella PSF disse...

ai que Delícia experimentar essa sensação de liberdade né? pena que tem 2 lados, ou melhor: bom que tem 2 lados...
abraços

Paloma, a mãe disse...

Nós, mães, e nossos sentimentos paradoxais. O pior, no meu caso, é ver crianças da idade dela, fazendo coisas que ela gosta. Fico mal.

Glau disse...

Nossa, Rô, eu sinto igualzinho a vc!!! Vc definiu direitinho!!

bjosss

Fe disse...

Ai Rô nem me fale! Que amor é esse ? Saímos eu e Lucas esses dias sozinhos e nossa, como um ser tão pequeno faz falta ? É como se a gente saísse e deixasse a bolsa, ou o celular em casa, né ? Quando você não os tem, não fazem falta, mas depois que tem um, você não vive sem,, né ? hahaha beijo

Maria Luiza, minha vida!!! disse...

Tb penso da mesma forma viu! Sinto um vazio imenso qd saio sem ela...mas as vezes é necessário né. E com certeza com as avós no comando, não tem problema!
Grande beijo pra vcs duas!!!

Letícia Volponi disse...

tem uma amiga que quando voltou a trabalhar depois da licença disse que era muito estranho ir trabalhar sem a filha e sem a barriga. Imagino que viajar tb seja muito estranho. Nunca tive a experiência, mas só de deixar a pequena com a avó para pegar uma baladinha já me dá uma saudade imensa de manhã...

Fabi disse...

Oi Rô!

Menina este negócio vicia, já estava sentindo falta das suas estórias..rsrsrs. Que bom que a viajem foi delícia e vc já matou as saudades da Luísa. Como a minha bebezusca só tem 8 meses ainda não passei por isto, mas como a amiga da Letícia, achava super estranho trabalhar sem a Laura na barriga..hehehe

Dani disse...

Rô, me sinto igual! Quando a Nina tinha uns 7 meses eu fui prá São Paulo fazer uma audiência e resolvi passear um pouco no shopping. Menina...me deu tanta falta dela que eu pirei! Saí comprando tudo quanto é presente prá ela! Voltei cheia de sacola prá casa! Beijo! Dani