quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Difícil adaptação


Eu resolvi esperar o desenrolar da história para só então contar aqui a saga que foi a adaptação da Luísa à natação. Eu a matriculei em maio, conforme contei aqui. Mas foi um processo bastante difícil. Acho que ela demorou quase três meses para se adaptar e realmente curtir a aula.
Foram muitos momentos de estresse pra mim. Eu pensei em desistir várias vezes, mas os professores da escola insistiram para que eu tivesse paciência, e que o processo é assim mesmo. Algumas crianças se adaptam rapidamente, outras não.
O problema não era a piscina em si, porque a Luísa adora água, desde muito pequena. Sempre se soltou em piscinas. Mas ali a história era outra, porque optei por colocá-la na aula sozinha, sem mim. Como ela já estava com quase dois anos, quis colocá-la sozinha para que ela começasse a se desgrudar de mim e a se sociabilizar um pouco mais, já que não está na escola ainda. Eu sempre fiquei ali, pertinho, mas sentada num banquinho fora da água.
Ela passou muitas aulas do lado de fora da piscina, só brincando com os brinquedinhos de borracha. Quando a professora a levava para a água, ela armava uma choradeira. Eu, por várias vezes, me questionei se não estava forçando minha filha a fazer algo que ela não estava a fim. Eu mudei de horário, troquei de turma, coloquei duas vezes por semana pra ver se melhorava. E nada. Quis tirá-la de lá. Eu sei quando ela faz manha, e muitas vezes não era. Quando eu sentia que era desespero, eu a tirava da água.
Até que eu resolvi parar de forçá-la a entrar na água. Relaxei e resolvi dar o tempo dela. E foi o que ajudou. Depois de um tempo, ela começou a ter vontade de entrar. Pedi que a professora colocasse uma plataforma sobre a outra, de forma que a Luísa pudesse se sentar bem no rasinho. E ali ela começou a se enturmar. E a pegar confiança na professora e na turma. E a pular para a plataforma mais funda.
Até que um dia, assim do nada, ela se jogou feito um peixe. Descobriu que aquilo era divertido. Ria, ria, se jogava na água. Tomava caldo, levantava rindo e falava "caiiiu". Ninguém acreditava. Eu até chorei de emoção.
Aí, na aula seguinte, a professora Cibele, em quem a Luísa demorou tanto pra confiar, entrou de férias por 15 dias. E ela regrediu de novo. Não queria entrar mais. E eu quase surtando. Passou as férias da professora praticamente do lado de fora da piscina. Até que a Cibele voltou e ela se jogou de novo. E a partir daí começou a evolução. Ela foi se soltando rapidamente e participando de todos os exercícios com as outras crianças.
Ainda assim, tem dias em que ela resolve não entrar. Não vai com a cara do professor auxiliar (ela tem medo quando é homem) ou de algum amiguinho e não entra. Juro, nesses dias eu tenho vontade de sei lá o que. Ela faz escândalo na piscina, escândalo pra tomar banho no chuveiro... minha paciência vai lá no pé.
Mas eu tenho persistido e acho que agora vai. Na última aula, ela parecia um peixinho, dando mergulhos e tudo mais. Nesses dias meu coração se enche. Eu fico sentada ali no banquinho (cada dia vou me afastando um pouco mais), rindo com as peripécias dela, curtindo esse momento que nem todos os pais têm a chance de curtir. E aí eu acho que tudo valeu a pena.
PS. Aí na foto acima, Luísa prestes a dar um mergulhão.

14 comentários:

Si Collet disse...

roberta q delicia q deve ser fiar curtindo essas aulas.. mesmo sendo esse estress q vc contou.. uma hora passa né, ai a luisa adapta e vai ser sereia! ihihihihih! acho q criança tem q aprender logo a nadar.. lembro d quando eu era pequena, adorava nadar, mas nao gostava d aulas d natação, vai entender! bjocas

Paloma, a mãe disse...

Que bom que agora ela está bem e curtindo! E que bom que vc a manteve lá, pois natação é muito bom, além de ser um item de segurança importante.
Já eu, por não ter tempo de entrar na água com a Ciça, fui adiando a entrada dela na natação. Até que agora ela começou, na escola. Como eu não estou lá, ela vai na onda dos colegas. Isso funciona também na hora de comer, é incrível como eles comem melhor quando tem coleguinhas do lado (isso eu observo mesmo em casa, quando os amiguinhos dela vão almoçar com a gente).

Fe disse...

que delícia de maiô......
foofa....ah, esqueci de comentar..adorei as fotos que vc me mandou. bj

Alê disse...

Oi, Roberta! Legal sua persistencia.Já foi um treino para a futura adaptação na escolinha... Já pensou?
Marina tb coloquei na natação, antes dos 2 anos.Para minha surpresa, ela ensaiou vários choros e fazia aula com biquinho(rs) e adaptação completa foi com 15 dias.
Hoje é praticamente uma sereia!rsrsrs

Mamãe Sah disse...

Agh querida! obrigada pela visita e elogio!
Linda sua babyyyyy!!Estou te add beijoca

Paloma disse...

É, flor, cada um com seu tempo! Isa também reluta, muitas vezes, em ir. Eu nunca consegui assistir as aulas, pela completa incompatibilidade de horários. Mas o pai, que já foi, diz que ela gosta. Acho que todo mundo é um pouco assim mesmo. Um dia estamos com mais vontade, em outros, não. E vamos levando...bjo
Paloma e Isa

Marina disse...

Ai, que fofa de maiô e touquinha!!!
Realmente, tem criança que tem horror a aula de ntação...
Ainda bem que ela se adaptou e sozinha, sem nenhuma forçada de barra!
beijoca

Patrícia Boudakian disse...

oie, tem convitinho pra vc no meu blog. beijos

Letícia Volponi disse...

Nossa, menina, ainda bem que eu não sei o que é isso. a Laura é um peixe e desde as primeiras aulas fica soltinha na água. Tudo bem que eu ainda entro com ela porque ela já vai para a escolinha e é um momento bacana para nós, mas ultimamente ela mal me dá bola. Mergulha, levanta, nada, segura na barra, bate perninha... uma alegria

Dani disse...

Rô, adoro ver estes posts sobre o futuro...anoto tudo direitinho aqui para quando Nina já estiver nessa fase. E, cá entre nós, acho vc muito sábia nas decisões que toma! Mas uma vez, vc acertou, viu! E a...não poderia diexar de dizer que a Luísa tá uma sereia nesse maiozinho! Beijo! Dani

Mãe do Pitoco disse...

Eu tb vou à natação com Pitoco desde que ele tem 6 meses (agora ele tem 10). Sempre aodrou, mas entro com ele. Caso contrário, não aceitaria ir com o professor. Mas sinto que, aos poucos, ele vai ganhando mais confiança com o professor, e isso é ótimo. Com relação à água, ele sempre foi muito à vontade e uma coisa que o professor dele sempre me disse vale como conselho para outras mamães que passarem por aqui e lerem seu post muito bem colocado - ele sempre diz: quando ele escorregar sem querer, engolir água ou fizer qualquer coisa não esperada na água, não faça cara de desespero. Por que ao ver a mãe asssustada, a criança tende a ficar com medo. Ela se espelha na reação da mãe. Então está aí a minha dica: tentar fazer cara de calminha e passar muita segurança para ela, sempre. Parabéns por mais esta conquista da pequena,viu? Esporte representa muito mais do que preparo físico para uma criança. Para mim, por exemplo, representou autoconfiança, desinibição e independência. Beijos nas duas.

Roberta disse...

Meninas, obrigada pela força. Adoro esses comentários, que muitas vezes valem mais do que o próprio post.
Beijos,
Roberta

Lu Terceiro disse...

Que foto mais fofa, adorei! :D

Anônimo disse...

Eu adoro blogs! Adoro esse compartilhamento de informações. Minha filha está passando exatamente por isso. Adorava ir pra natação comigo. Agora que tem 3 anos, vai sozinha. A primeira aula, maravilha! O segundo dia emburrou e não quis entrar. O terceiro dia entrou meio desconfiada, se divertiu até que alguma coisa aconteceu e ficou com cara de choro pedindo pra sair. Aguentei um pouco, mas quando chorou mesmo, eu tirei porque não acho que tenha de ser tão sofrido.
Fico "feliz" em saber que o processo é assim mesmo! Paciência!