quarta-feira, 12 de agosto de 2009

A saga das naninhas

Vou contar uma sacanagem que eu aprontei sem querer com a minha amiga Adriana. Quando a filha dela nasceu, eu dei de presente uma naninha, um daqueles paninhos fofos que tem em uma das pontas a cabeça de um ursinho. E a Paola gostou mesmo da naninha, dormia com ela todo dia e andava com o paninho pra lá e pra cá.
A questão é que essa história acabou se tornando um problema. Primeiro, porque elas moram nos EUA e lá não tem igual pra comprar. E naninha tem dessas: tem que ser igual, não pode ser parecida. E de preferência tão surradinha quanto, porque quanto mais velho fica, mais a criança gosta. Eu, como chupava o dedo quando era criança, tinha uma fralda dessas, que enrolava nos dedos enquanto botava o dedão na boca.
Quando fui para os EUA no começo do ano, combinei com a Adri de visitá-la e perguntei se ela queria algo do Brasil. Ela disse pra eu levar outra naninha daquela pra Paola, porque ela tinha medo de perder aquele pano e a filha não iria nem conseguir dormir. Fui tranquila até a loja onde eu havia comprado e, para minha surpresa, a loja tinha fechado. E não reabriu em nenhum outro lugar. Corri pra outra loja em que eu tinha visto a naninha igual e me disseram que não tem mais daquele modelo.
Ou seja, belo presente de grego que eu fui arrumar... Dri, por acaso ela já desencanou do paninho? :-)
Já a Luísa nunca pegou naninha. Eu comprei uma pra ela também e sempre deixo no berço, mas não rolou uma "afinidade", sabe como é? O lance da Luísa é a bolsinha e pronto. Outro dia perdemos a tal bolsinha no clube, com chupeta e tudo dentro. Acho que eu fiquei mais desesperada do que a Luísa. Por sorte, o São Longuinho estava de boa aquele dia, encontrou a bolsa, deixou lá na brinquedoteca e nós achamos. Demos os três pulinhos devidos e fomos embora felizes da vida.
Por garantia, estou conseguindo acostumá-la a variar as bolsas. Porque, mesmo que não perca aquela cor de rosa, logo vou ter que jogar fora, porque já está ficando indecente.

12 comentários:

Marina disse...

Roberta, com certeza vou me empenhar mt pra sassaricar com a Bia pelo mundo afora!
Linkei seu blog lá no meu, tá?

Essa história da naninha aconteceu parecido com uma amiga minha, só que a dela era um bichinho de tecido! rsss

Beijocas

Letícia Volponi disse...

Menina, nem me fale. a Laura tem uma sapinha de pano que é o xodó dela. Pior que eu preciso lavar a bicha e não consigo. Estou tentando acostumá-la a outros bichos de pelúcia, mas até agora, necas!

Mãe do Pitoco disse...

Aqui em casa Pitos tem mania de pinguim. Tem então que é especial. Ele veio com um livro que pode ir no banho e se chama Plim. É louco por ele e não desgruda. O pobre já tá cheio de bolinhas de pêlo, um horror. Já pensamos em comprar um igual tb, mas acho que perceberia. hihi Beijocas nas duas

Lia disse...

Quando eu era pequena, minha mãe conta que eu pedia: "chupã! chupã", que vem a ser a chupeta amarrada nessa fralda gostosinha.

Si Collet disse...

ahh roberta a Bia tb enrola a fralda no dedo e coloca na boca, fica chupando..

Renata disse...

Eu acho fofo crianças que tem naninha...o André não quer saber de nenhuma! E olha que eu já tentei! rsrsrs!

Adriana Stock disse...

Ai, Rô, que bom que você escreveu sobre isso!!! A Paola continua grudada naquele paninho. Agora que vamos viajar, fico desesperada porque corremos um risco maior dela perdê-lo. Até coloquei um outro parecido dentro do berço, mas ela gosta daquele. Não tem jeito. Acho que vou fazer uma campanha. Vou tirar uma foto do paninho e publico no meu blog. Quem sabe alguém já viu pra vender em alguma loja, né?

Roberta disse...

Boa, Dri. Faz uma campanha "Procura-se" no blog com a foto da naninha!!! Vai que alguém descobre onde tem! Desculpa, amiga....

Alê disse...

ih...Rô, Marina tb tinha um q aqui no RJ a gente chama de soninho que ela nem ligava.Depois q foi pra escola, viu um amiguinho levando o tal soninho pra escola e desde então o soninho dela virou xodó.... Ainda bem q igual a esse tem vários por aqui...
Fiquei curiosa pra ver esse naninha da sua amiga...Vai que tem por aqui???
Beijos

Nanda disse...

Oi..
Nem me fale..
Fiz um post especial para a naninha do Gael...
Ele não desgruda!!!
Bjssss

Paloma disse...

Ah, a Isa também tem naninhas. A sorte é que, quando ela nasceu, ganhamos duas iguais. Quando me separei, cada um ficou com uma. Então, ela tem uma aqui e uma no pai. E esses objetos, chamados de transacionais, são super importantes, pra dar segurança ao bebê. bjo
Paloma e Isa

piscardeolhos disse...

Roberta, eu entendo o seu desespero: faz dois meses que perdi a insubstituível Sofia, a Girafa. Sei lá, ela estava na minha bolsa e derrepente ...não tava! Achei que Noah fosse ficar traumatizado, mas ele não pareceu ligar muito, não. Eles estavam juntos desde que ele nasceu...snif.
Quanto a tal naninha já tentei de tudo, mas ele não tem "afinidade", como vc colocou, com nenhuma delas. Atualmente é uma camisola minha que está dentro do berço. Coloquei a mais surrada que eu tinha, vamos ver se essa pega.
Beijo, Roberta