segunda-feira, 27 de julho de 2009

Outro mundo

Acho engraçado como nosso mundo muda completamente depois que temos filhos. Mesmo quando estamos sem eles. Bom, pelo menos o meu mundo, já que não posso dizer pelos outros. Ontem, fomos almoçar com uns amigos que têm um bebê de 18 meses e a conversa ia e voltava para o assunto crianças. Lógico que não é só este o assunto, mas ele é simplesmente inevitável. Não apenas entre as mães, mas com os pais também. "A Luísa fez cocô no penico, que emoção!" "E eu não vejo a hora de meu filho usar o penico, também vou ficar doido!" "Nossa, como ele come bem!" "Antes ele dava trabalho, mas agora ele está comendo melhor"... e por aí vai.
Hoje eu viajei de manhã para Curitiba e encontrei um amigo no avião. Era amigo daqueles tempos de solteira - fazíamos parte de um mesmo grupo que saía sempre pra balada. Agora estamos ambos casados e com filhos pequenos. Ficamos conversando o voo todo adivinhem sobre o que? Relembrando as antigas baladas? Nada disso. Era só Gabriel pra cá e Luísa pra lá. Viagens, restaurantes... mas tudo o que é bom fazer com crianças...
E sabe do que mais? Não sinto a menor falta daqueles tempos. Hoje estou completamente em outra. Aliás, morrendo de saudade da Luísa, porque estou sozinha em Curitiba e ela ficou em casa com o pai. Beijo, filha!!!

4 comentários:

dannah5 disse...

Roberta, mas a verdade eh q seria estranho se vcs nao tivessem interesse em falar dos filhos, eu entendo o ponto q vc quis colocar mas existe genuinamente pessoas que nao acham que seus filhos sao tao importantes assim, quando nossa vida muda por conta da experiencia de ser pais, eles realmente sao o centro de tudo, e nao no mau sentido de mimados, estragados, mas no sentido de serem bem cuidados, de terem carinho, atençao, dialogo. Ainda acho o homem bem mais resistente a mudança, eles so falam de filhos com quem tem filhos, com solteiros eh mais dificil.
Hj em dia eu me pego sempre priorizando amigos q tenham filhos ou que estejam tentando te-los, pq assim sei q nao vao achar chato ter esse universo cercando nossos programas.

Eu tbm nao sinto falta das baladas, quando era mais nova as vezes me pegava no meio da noite dançando e pensando q queria voltar pra casa. Depois q virei mae eu meio q achei minha "tribo" hehe
Boa sorte na viagem, a saudade eh dolorida!

beijocas

Si Collet disse...

nossa hj mesmo eu estava conversando com uma amiga q tem um filho da mesma idade da Bia minha filhota. Eles estão com quaseee 5 meses, Bia completa amanha. Nossa conversa era EXATAMENTE essa, d q nao sentimos falta das farras, festas pela madrugada.. que o nosso mundo mudou tannnto, pra muiiito melhor.. e como a gente é mais feliz!

Letícia Volponi disse...

Roberta
Sei bem que saudade é essa. Por mais curta que seja a viagem, faz uma falta danada dar aquele cheiro no pescoço, ganhar aquele beijo molhado...

Patrícia Boudakian disse...

Que lindo. Por essas e outras coisas que leio que sinto mais vontade de ser mãe. obrigada! beijo.