quinta-feira, 2 de julho de 2009

Fases, fases...

Cada dia que passa eu tenho certeza que nada é para sempre nesse mundo dos filhos.
Você se gaba porque sua filha come de tudo, conta isso com o maior orgulho quando alguma mãe reclama que o filho não come nada. De repente, ela começa a dar o maior trabalhão pra comer. Faz manha, joga o prato no chão, não come quase nada. Aí você acha que pronto, agora ferrou, minha filha não come mais, preciso ligar para a pediatra, o que é que eu faço? Aí, do nada, a bichinha começa a comer bem de novo, pratão de pedreiro. Durante três dias seguidos, ela recusa determinado alimento, mas aí, na quarta vez que você oferece, ela volta a comer numa boa. Ou não. E assim vai o ciclo. Vamos lá, um dia de cada vez.
A mesma coisa acontece com o sono. Quando você está feliz porque agora ela dorme a noite inteira, depois de um ano de noites mal dormidas, a moçoila começa a acordar à noite de novo. Acorda várias vezes de madrugada chorando, dá a maior canseira durante vários dias. Ou é dente, ou é manha, ou é sei lá o que. Aí, quando você já rezou todas as preces que sabia, alguém lá de cima te atende e ela volta a dormir feito um anjinho até de manhã e fica assim durante meses.

Faz três noites que a Luísa tem acordado à noite (dente, talvez). E agora essa novela chega a ficar engraçada. Funciona mais ou menos assim: eu vou até o quarto, pra ela ver que estou por perto. Mas faço de tudo para não tirá-la do berço, pra não acostumá-la a fazer manha. Ela fica em pé no berço, puxando meus braços pra tentar sair dali, choramingando. Eu fico do lado de fora, abraçando e conversando baixinho, falando pra ela voltar a dormir. Daí ela se deita, eu cubro e fico ali um pouco. Nisso, ela abre meio olho umas três vezes pra ver se eu estou ali mesmo. Eu saio do quarto e a bichinha fica em pé de novo, me chamando. Fico mais um pouco. Falo pra ela deitar e fico segurando a mãozinha dela. Sento no chão, do lado de fora do berço, e ela apertando minha mão com toda força. Largo a mão dela e fico ali mais um pouco. A cada barulhinho na rua, ela levanta pra ver se eu saí do quarto. E eu ali, quase dormindo sentada.
Mas aí chega o meu limite. Saio do quarto dela bem quietinha e volto para o meu. Dali não saio mais. Se ela voltar a chorar, deixo chorando, e pra isso tenho o apoio incondicional do Luiz. Às vezes é ele quem me segura, até, pra eu não ir lá para o quarto dela de novo. Na primeira noite, chora 10 minutos (que parecem ser 2 horas na nossa cabeça). Na noite seguinte, chora dois minutos. Na terceira, dorme a noite toda de novo. E assim vai.

13 comentários:

Elisabeth Pessoa disse...

uma vez li por aí nos blogs das mamães que não é legal deixar a criança chorando não. porque o efeito de deixar a criança chorando é muito ruim pra ela. Os bebês choram como defesa, quando sentem medo ou insegurança... nessa hora é bacana ela saber que sempre pode contar com os pais.
Mas você que sabe o que vc acha melhor...

Roberta disse...

Esse assunto é bastante polêmico, Elizabeth, e há correntes variadas a respeito. Além do medo e da insegurança, existe uma outra questão que é a manha. E é possível, sim, identificar pelo choro se a criança está com medo ou apenas está fazendo manha pra você levá-la para a sua cama. Antes de deixar chorando, eu geralmente já fui umas duas ou três vezes até o quarto acalmar e dar segurança para a Luísa.
Respeito as pessoas que acreditam que nunca se deve deixar um filho chorando. Mas eu acho que consegui encontrar um equilíbrio.

disse...

Adorei seu blog! A Luiza é muito fofa!
Beijo

Daniella PSF disse...

acho que ás vezes é manha mesmo, porque qundo volto com pena, e tiro o Ian do berço... ele logo sorri , e volta a deitar ou brincar.. o caso é que ele quer amã grudado o tempo todo... e eu preciso de umas férias, e de coragem pra deixar el chorar...

Paloma, a mãe disse...

Roberta, tô com vc!
Para mim, dormir também é um aprendizado.
Os resultados aqui são visíveis: minha filha dorme a noite toda desde 2 meses. Claro que tem as tais fases, mas somem muito rapidamente aqui em casa.
Mas tem mãe que deve gostar de acordar todas as noites, deve ser isso.

Roberta disse...

Olha, Daniella, a primeira vez que você deixa chorando é uma tortura pra gente, por mais que você saiba que a criança não tem nada. Cada minuto real equivale a 10 minutos psicológicos. Mas depois você acostuma. E a criança safadinha também já não vai mais ficar tanto tempo chorando, porque ela sabe que você não vai lá correndo atendê-la. Se quiser tentar, tem meu total apoio. Não vejo nenhum mal nisso. É como o lance de dar mamadeira de madrugada. O filho de uma amiga acordava à 1h da manhã todo dia até os três anos, porque ela acostumou assim. Ele chorava e ela dava. E a coitada passou três anos acordando pra fazer mamadeira. Tô fora!!!
Paloma, valeu pelo apoio. Lê, obrigada e volte sempre!

dannah5 disse...

Oi Roberta!Eu ia dar uma de esclerosada e me apresentar novamente... disfarça!

Mas olha, eu concordo, na verdade acho assim, cada mae sabe o filho q tem, a gente identifica quando eh manha, quando eh fase, quando eh uma necessidade da criança, e a gente faz de acordo com os criterios que julgamos mais corretos e esses variam muito de familia e estado.
Se tem uma coisa que eu aprendi, nao critico mae nenhuma, pq a verdade eh q crianças sao grandes misterios da vida, cada uma com seu jeitinho, e a gente vai educando de acordo com esse jeitinho pra adequar as necessidades.

Tem muita teoria hj em dia que deixam as maes de cabelo em pe, ate sobre colo, eu sou contra colo o tempo todo, quem segura pra mim quando a coluna for pro brejo? hehe

Essas fases matam a gente, aqui tem dente, nao sei quantos anos tem a sua mae ate sairem todos os dentes eles sofrem com isso.

beijocas

ph disse...

Roberta Lippi!!!!! Só mesmo a internet pra fazer a gente encontrar pessoas legais que não vemos há séculos. Sua filhota é muito fofa! Parabéns.
Por onde andas?
abs
ph

Glau disse...

Rô, adorei esse tópico! Acho q Deus dá a mãe perfeita para cuidar do filho(a) Dele, na medida certa para ajudá-lo a evoluir. Se fazemos de coração e o melhor possível, estamos no caminho certo. Parabéns a vc!!!bjinhos carinhosos da sua cunhada q a adora muito!

Roberta disse...

Oi, Glau, querida, que bom ter seu comentário aqui! Pois é, alguns assuntos são sempre polêmicos, porque afinal a gente descobre que não existe um jeito certo e um jeito errado, né? A gente fica tentando buscar isso o tempo todo, mas acho que cada família encontra a melhor forma, dentro daquilo que acredita, pra criar seus filhos.
Além da forma como nós educamos e transmitimos os nossos valores, existe um fator sobre o qual não temos controle que é a personalidade da criança. Basta ver pais que têm vários filhos e cada um é completamente diferente do outro, né?
Mas a gente vai tentando acertar para criar pessoas educadas, amorosas, éticas e com auto-estima elevada. O resto, Deus sabe o que faz!!! beijos

ph disse...

Sou uma besta, mesmo.
ph=Paulo Henique. Fomos colegas nos bons tempos de Gazeta Mercantil, lembra? Trabalhei com Ribas e Martinez em Floripa e depois em Sampa.
abração

Bembi disse...

Roberta, então saca só:
eu me gabava que a Bruna nunca teve cólicas, nunca passei mais que cinco minutos ouvindo um choro dela. Desde que veio da maternidade dormia a noite toda. Quando sentia fome, só resmungava. Não só dormia bem, como era parceira para voltar para cama nas manhãs de domingo e ficar até umas 10h. Eis que agora, com quase quatro anos, levanto umas 200 vezes para ela fazer xixi, senão faz xixi na cama. Muito em breve isso passa, aí levantarei 200 vezes para checar se ela chegou da balada. Não é mole, não!
Beijos

Flávia disse...

Roberta, adorei seu blog.
E me identifiquei mt com vc, várias vezes me peguei rindo daquilo que estava lendo, pois parecia que o que lia era comigo,rsrs.

Tenho um bebe de 1 ano e sou marinheira de primeira viagem.


Parabéns mt legal seu blog e mt linda sua filha.

Flávia