sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Dicas para comer melhor

A revista Crescer de novembro/2008, em uma edição especial de 15 anos, traz algumas dicas interessantes para o dia-a-dia com o bebê, desde como fazer seu filho comer sem sofrimento, como viver bem com os avós, como lidar com o choro, sono, babás etc. Vale dar uma olhada.
Eu vou reproduzir aqui as 10 dicas em relação à alimentação para depois que o bebê começa a comer comidinha, ou seja, depois dos seis meses:
1. Respeite os horários das refeições. Nem sempre é fácil cumprir o cronograma, mas é importante manter uma rotina. A criança deve se alimentar seis vezes por dia (café-da-manhã, lanche, almoço, lanche, jantar, lanche). Quanto mais ela estiver acostumada a essa rotina, melhor ela irá comer.
2. Dê o exemplo. Não pense que vai criar um filho fã de frutas e verduras se você só come no fast food.
3. Não faça malabarismos. a driançada precisa aprender que comer é importante e gostoso. Ela precisa experimentar e sentir o sabor dos alimentos. Aviõezinhos, brinquedos e televisão acabam distraindo a criança daquilo que ela deveria fazer. Segundo pesquisas, esse é um passo grande para a obesidade.
4. Desenvolva o gosto de sentar-se à mesa. Quando a família estiver em casa, aposte em refeições coletivas. Seu filho vai associar a hora de comer à satisgação da convivência com a família, e ainda vai aprender a se comportar à mesa.
5. Comer = prazer. A hora da refeição deve ser séria, mas não rígida. Tudo bem deixar seu filho comer na sala uma vez ou outra.
6. Não transforme guloseimas em prêmio. Aquela famosa frase "se você comer tudo, ganha a sobremesa!" deve ser riscada do seu repertório. Caso contrário, a criança associa o que está comendo a um sacrifício.
7. Inclua-o na preparação da refeição. Peça a seu filho qeu ajude a separar os ingredientes e colocá-los dentro da panela, arrumar a mesa etc. Ele vai ficar ansioso para provar as delícias que fez.
8. Um cardápio para todos. Depois que seu filho passar da fase da papinha, pode comer a mesma comida da família, com o tempero da casa.
9. Considere a diferença entre lanche e refeição. Café-da-manhã, almoço e jantar são as refeições maiores e não devem ser substituídas por lanches, a não ser em dias especiais.
10. Faça uma horta. Plante tudo que o tamanho do seu quintal permitir ou use vasinhos de tempero. Seu filho vai adorar regar a planta, vê-la crescer, colher e, claro, comer tudo!

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

As bagunças

A Luísa está em uma fase incrível. Estamos enlouquecidos por ela, cada dia mais. Impressionante como um serzinho pode mudar tanto em tão pouco tempo. Nos dois últimos meses (ela vai fazer 1 ano e 3 meses no dia 10 de novembro), o desenvolvimento foi absurdo.
É muito surpreendente a capacidade de entendimento de uma criança nessa idade. Para quem acabou de nascer, vê-la me imitando digitando no computador e mexendo no mouse parece coisa de outro mundo (pelo amor de Deus, não comparem a Luísa com a Maísa, aquela adultinha encarnada em uma criança). A Luísa pede o DVD que quer assistir, muda a TV de canal com o controle remoto e depois vem me trazer pra consertar as besteiras que ela sabe que fez. Pega meu celular e mexe tanto nas teclas que acaba ligando pra todo mundo. Coitada da Adriana, a primeira da lista, que recebe ligações todos os dias. Meu irmão também entrou no msn outro dia e perguntou: "Rô, a Luísa estava com o seu celular hoje de novo?" rsrs. Ela imita a empregada e fica passando pano no chão e nas paredes. Hoje também foi engraçado: entrei no lavabo e ela tinha picotado metade do rolo de papel higiênico e, o interessante, tinha jogado todos os papeizinhos picados no lixinho do banheiro.
Essa fase é aquela do mundo encantado dos armários e gavetas. Abre tudo, joga tudo no chão, esconde as coisas nos lugares mais inusitados. Tira todos os livros da estante e joga no chão.
Mas eu rezo todos os dias pra essa fase demorar a passar. É bom demais, é insano esse sentimento. O único conselho que vale é: curtir muito cada momento e registrá-los, porque daqui a pouco chegam outras novidades e a gente já esquece das bagunças do dia anterior.

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Babá dormindo em casa

Semana passada minha amiga Cris, grávida do Pedrão, me perguntou como foi meu esquema com babá quando a Luísa nasceu. Vou copiar aqui o que escrevi pra ela, porque pode ser útil para outras pessoas.
Bom, essa história de babá é uma novela. Eu sempre tive babá dormindo em casa, desde o começo. No início, tinha uma empregada diária também, depois fiquei só com uma faxineira duas vezes por semana (a babá dava uma geral na casa nos outros dias) e agora estou com empregada diária de novo. Olha, cada caso é mesmo um caso, porque depende muito de como é a mãe e como é o bebê. No começo, você não sabe nem o que você espera da babá, porque vc não tem experiência com nada. Depois é que vc vai pegando as manhas. Em casa, a babá veio qdo a Luísa tinha 15 dias, porque minha mãe ficou comigo nos primeiros 15.
Algumas considerações:
- Quando a Luísa nasceu, eu tinha muito ciúme da babá e não gostava que ela ficasse pegando muito. Como eu amamentei bastante tempo, também não precisava que ela preparasse mamadeira, essas coisas. Como era tudo começo, eu também gostava de dar banho, trocar... enfim, a gente revezava um pouco.
No que ajudava muito ter babá: - ela cuidava de tudo o que era periférico: roupas da Luísa estavam sempre limpinhas, fraldas, algodão, água morna, tudo sempre reposto
- quando eu queria dar uma saída pra qualquer coisa, deixava a Luísa com ela e saía
- qdo eu estava grávida, uma amiga me dizia que o bom de ter babá dormindo em casa é que você pode dar mamá pro nenem e deixar a babá pra fazer arrotar. Eu falava isso pro meu marido e ele dizia que era frescura. Só que, naqueles dias em que seu bebê emenda uma mamada na outra (ou seja, fica três a quatro horas acordado direto de madrugada, chorando ou querendo colo), vc não tem idéia de como é bom ter alguém pra ficar lá enquanto vc descansa um pouco. Às vezes você está um caco e só o que você quer é dar o peito e voltar pra cama.
Nem sempre eu acordava a babá de madrugada, mas quando eu estava cansada, eu a chamava. Sempre quem levantava primeiro era eu (porque eu pulava da cama na hora e saía correndo, não adiantava). Como os maridos trabalham no dia seguinte (a não ser aqueles que têm horário flexível), acaba sobrando sempre pra mãe, especialmente nos primeiros meses.
- a babá dormia no quarto dela, não no da Luísa. Preferimos assim pra não perdermos a liberdade, especialmente o Luiz. Mas conheço várias pessoas que preferem que a babá durma no quarto do bebê. Quando a gente está amamentando, não tem jeito, a gente tem que levantar mesmo, então a babá não consegue resolver as coisas sozinha (a não ser que não seja horário das mamadas). Eu não coloquei babá eletrônica, porque eu ouvia qualquer chorinho do quarto e levantava. Mas em geral a Luísa só levantava quando era hora de mamar, mesmo, então tinha que ser eu. Graças a Deus ela teve muito pouca cólica.
- eu tinha muito receio dessa coisa de ter uma pessoa estranha dormindo, vivendo na minha casa. Mas é o preço que depois você precisa pesar na balança. Essa parte ruim é compensada pelo fato de que nós conseguimos manter a nossa vida de casal com menos cansaço. Tenho uma amiga que não tem babá e nem empregada diariamente, e dá conta sozinha (só que não faz absolutamente nada pra ela). Mas ela tem sogra e mãe na cidade, então ela tem com quem deixar o filho quando vai sair. Eu, como não tenho ninguém pra contar, não tive muita alternativa (e, lógico, graças a Deus tinha condições de pagar uma babá). Com a babá, a gente saía pra jantar de vez em quando, dávamos as nossas voltinhas. Eu dava a última mamada da noite (às 22h, mais ou menos) e saíamos depois disso, porque aí ela só acordava umas 3 ou 4 da manhã.
- A gente também achava que não queria babá em casa aos finais de semana, porque perderíamos a liberdade em casa, de novo a mesma história. Mas isso foi só na primeira semana que ficamos sozinhos. Mudamos de idéia. Não é pelo trabalho que o bebê dá (porque nos primeiros meses ele mama e dorme, o trabalho é trocar, amamentar e dar banho), mas o problema é por ficarmos presos sem podermos ir a um cinema, jantar fora, sair com os amigos, essas coisas. Contratar folguista acaba saindo mais caro.
Mas, de novo, cada casal tem seu ritmo. De repente você vê que não precisa ter ninguém aos finais de semana, só vai saber testando.

Noites mal dormidas...

Apesar de a Luísa ser uma criança calma e super bacana, o sono dela (ou o nosso) sempre foi uma questão que nos deu um pouco de trabalho. Sempre acordou à noite, e em algumas fases (por volta dos 8, 9, meses até 1 ano) ela só queria dormir no meu quarto. Se ela acordasse de madrugada e eu aparecesse no quarto dela, pronto. Ou eu acabava levando pra dormir no meu quarto, depois de todas as tentativas de fazê-la dormir, ou deitava junto com ela na cama no quarto dela. Essa fase foi bem desgastante, e eu fiquei muito cansada porque não conseguia achar uma solução. A pediatra sempre recomendou: NUNCA leve para o seu quarto e evite dar mamadeira de madrugada. Mas, vou dizer, por mais que eu tente fazer tudo certinho, respeitar horários, etc, chegou uma fase em que eu me rendi.
Quando percebi que estava ficando demais essa manha, voltei a dar os "choques" de deixá-la chorando no quarto sozinha até dormir de novo. Não é nada fácil para os pais, porque um minuto de choro parece que são 20. Mas depois de alguns dias ela de fato desistiu e começou a dormir sozinha de novo.
Não sei se foram esses "choques" ou se é questão de fase, mas faz mais ou menos um mês - agora ela está com 1 ano e 2 meses - que tudo começou a ficar mais calmo. Duas coisas mudaram bem no ritmo dela: 1) ela começou a dormir mais tarde, por volta de 9h30 da noite (antes capotava umas 20h); 2) eu já consigo dar a mamadeira nesse horário, em vez de dar mamadeira entre 22h30 e 23h ,como eu fazia até pouco tempo. Mesmo mamando mais cedo, ela começou a dormir até de manhã. Ela tem dormido a noite toda e acorda sempre no mesmo horário, às 6h30 da manhã. Daí dou a mamadeira e geralmente ela dorme de novo até umas 9h, quando dou o café da manhã. Ou seja, tudo tem reinado em paz e as noites têm sido bem mais tranquilas. Rezo para que continuem assim!!